Sábado, 04 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Boa-nova para as biografias

Por Jotabê Medeiros em 20/12/2011 na edição 673

A Comissão de Educação e Cultura aprovou por unanimidade na semana passada projeto que autoriza a execução de filmes ou publicação de livros biográficos sem a autorização da pessoa biografada ou de sua família. O projeto de lei, de autoria do deputado Newton Lima (PT-SP), retoma proposição do então deputado Antonio Palocci, de três anos atrás, que tinha sido aprovada em todas as comissões anteriormente, mas mesmo assim foi “engavetada” sorrateiramente no dia 31 de janeiro.

O projeto visava a uma emenda ao artigo 20 do Código Civil brasileiro, que trata do direito à imagem. Há um acúmulo de casos em que famílias de artistas (ou os próprios) têm ido à Justiça (com sucesso) para impedir a publicação de livros de terceiros que contem suas vidas, como foi o caso recente do livro Roberto Carlos em Detalhes, de Paulo César Araújo. Livros de Ruy Castro e Fernando Morais também foram censurados, assim como o filme Di, de Glauber Rocha.

A proposta altera o Código Civil (Lei 10.406/02), que hoje só permite tais obras em quatro casos: autorização direta da pessoa exposta; necessidade de administração da Justiça; manutenção da ordem pública; ou consentimento de parente, se a pessoa exposta já tiver morrido. O projeto assegura a divulgação de fatos biográficos de “pessoa cuja trajetória pessoal, artística ou profissional tenha dimensão pública ou esteja inserida em acontecimentos de interesse da coletividade”.

Acesso à informação e à cultura

O relator do projeto, deputado Emiliano José (PT-BA), disse que acha “difícil” algum parlamentar se colocar contra a proposta porque o relatório está bem embasado. Para José, as biografias narram “a própria história da sociedade” na qual a pessoa célebre está inserida.

O deputado disse que considera “inconcebível a existência desse dispositivo legal que cerceia o direito de liberdade de expressão, o acesso à informação e à cultura”. O texto, que tramita em caráter conclusivo, será agora analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) e depois irá direto para o Senado. Segundo José, haverá um esforço para que a CCJ analise o texto ainda este ano.

***

[Jotabê Medeiros é jornalista]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem