Sábado, 08 de Agosto de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Livraria pode separar área de livros digitais

Por Associated Press em 10/01/2012 na edição 676

A Barnes & Noble está estudando alternativas para sua divisão de livro eletrônico Nook, de crescimento acelerado, mas onerosa, e pode separar essa área do negócio principal de livrarias. Trata-se de uma tentativa de voltar à lucratividade, num momento em que o setor editorial se adapta ao crescente sucesso dos livros e revistas digitais.

Os investidores bateram em retirada ontem (05/01/12) quando a empresa também previu um prejuízo muito maior para o ano do que o projetado originalmente. As ações da companhia chegaram a se desvalorizar mais de 20%. A Barnes & Noble vem investindo pesado em livros eletrônicos, diante da acirrada concorrência das varejistas e lojas de desconto online. Mas o segmento levou a livraria, sediada em Nova York, a registrar prejuízos. A Barnes & Noble está enfrentando intensa concorrência da Amazon.com, que ofereceu seu tablet Kindle Fire por US$ 199 e seu leitor eletrônico Kindle por US$ 79 nas festas de fim de ano. A Barnes & Noble comercializou seu Nook Tablet por US$ 249 e seu leitor eletrônico preto e branco Simple Touch por US$ 99.

A demanda pelo Simple Touch ficou aquém das expectativas da companhia na temporada de festas. Mesmo assim, as vendas dos produtos Nook cresceram 70% nas nove semanas encerradas em 31 de dezembro, em comparação com o mesmo período de 2010. As vendas de conteúdo digital mais do que duplicaram. A empresa prevê que essas vendas somarão US$ 450 milhões no ano fiscal de 2012. O CEO da Barnes & Noble, William Lynch, disse que a reavaliação da situação do Nook é uma tentativa de dar mais visibilidade à área. “Queremos liberar valor e lançar intensa luz sobre essa divisão”, disse Lynch.

Prejuízo maior que o previsto

Segundo ele, a empresa está examinando “uma série de alternativas” para o Nook, que deve gerar US$ 1,5 bilhão em receita no ano fiscal de 2012. Ele preferiu não comentar se a empresa está estudando a possibilidade de alienar definitivamente a divisão. A análise deverá ser concluída até o fim do ano. Lynch acrescentou que a empresa poderá expandir a subsidiária do Nook no exterior e que deverá fazer um anúncio nos próximos dois meses.

Os analistas encararam um novo curso de ação com ceticismo. “Separar a Nook da marca Barnes & Noble seria um erro enorme”, disse Michael Norris, analista-sênior de comércio exterior da Simba Information. “Muitas pessoas que compram livros eletrônicos compram livros físicos também.”

A Barnes & Noble se declarou à venda no ano passado, mas suspendeu a iniciativa depois de receber um investimento de US$ 204 milhões da Liberty Media, em agosto. As vendas totais da Barnes & Noble no período de festas cresceram 2,5%, para US$ 1,2 bilhão. A Barnes & Noble reduziu sua perspectiva anual de lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização, o Ebitda, para a faixa de US$ 150 milhões a US$ 180 milhões. Em dezembro, a empresa declarou que o índice ficaria em US$ 210 milhões. A varejista de livros prevê uma perda anual de US$ 1,40 a US$ 1,10 por ação sobre um total de vendas de US$ 7 bilhões a US$ 7,2 bilhões. O prejuízo é maior que o de US$ 0,10 a US$ 0,50 por ação previsto em agosto do ano passado pela empresa.

***

[Associated Press, de Nova York]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem