Terça-feira, 26 de Maio de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Entre poderes e utopias

Por Eugênio Bucci em 27/03/2012 na edição 687

Um livro necessário e bem escrito. Já era tempo. Não há outra maneira de receber este História da Imprensa Paulista, do jornalista Oscar Pilagallo: para começo de conversa, é preciso reconhecer nele um valor essencial, que não é pequeno. Em pouco mais de 300 páginas, o autor conseguiu encadear, numa narrativa que escapa, com elegância, da linguagem um tanto enfadonha dos livros históricos, informações antes dispersas na poeira de dois séculos. Além disso, traz revelações que ele mesmo apurou. Para as escolas de jornalismo, mais um título para a bibliografia obrigatória. Professores e estudantes ganham um roteiro mais atualizado para compreender as origens e as contradições que marcam a formação da imprensa em São Paulo.

A espinha dorsal das virtudes dessa obra está na postura adotada por Pilagallo, de evitar proselitismos ou o excesso de juízos de valor, para um lado ou para outro. O autor não cede à tentação de glorificar ou de crucificar jornais ou editores. Conta com clareza – e mesmo com frieza – o que coletou de relevante. Uns vão gostar, outros vão desgostar e apontar imprecisões, como de costume, mas o veio principal dos acontecimentos que marcaram a evolução e a involução das redações paulistas passa pelas páginas desse volume. Em tempo: com esse lançamento, a Publifolha, editora vinculada ao jornal Folha de S.Paulo, vem abrir um novo selo editorial, o Três Estrelas, dedicado a estudos de jornalismo, que também nos chega em boa hora.

Em sete capítulos, História da Imprensa Paulista vai costurando curiosidades mais do que saborosas a esclarecimentos por vezes dolorosos. Entre as primeiras, temos o jornal que circulou em 1823 na província de São Paulo, de nome O Paulista, cujos exemplares, um a um, eram copiados à mão. Ou a lembrança de que o escritor Euclides da Cunha, autor das reportagens sobre a revolta de Canudos, que, na última década do século 19, ajudaram a erguer a reputação deste diário, O Estado de S. Paulo, fundou um jornal marxista em 1899. O nome não deixava dúvidas: O Proletário, publicado na cidade de São José dos Campos.

“À revelia do meu pai”

Entre os esclarecimentos, que não são poucos, um dos mais chocantes é aquele que dá o contexto histórico do assassinato do diretor de jornalismo da TV Cultura, Vladimir Herzog, em 1975. Como Pilagallo demonstra, a morte de Herzog não resultou da iniciativa espontânea de meia dúzia de torturadores estúpidos, mas de uma campanha mais ampla, que procurava caracterizar o jornalista como um agente indigno a serviço do comunismo. História da Imprensa Paulista anota que, poucos dias antes do crime, o jornalista Alberto Dines denunciou essa campanha em sua coluna dominical, “Jornal dos Jornais”, na Folha. Como Dines mostrou, estava em marcha uma perseguição pública, liderada por um colunista do semanário Shopping News, que bradava contra a “infiltração comunista” na “TV Viet-Cultura”.

História da Imprensa Paulista também joga luz sobre um episódio que foi bastante debatido recentemente: o uso de caminhonetes da Folha de S.Paulo em ações de repressão armada contra ativistas de esquerda durante a ditadura militar. Um dado inequívoco – e este já bastante conhecido – é que toda a elite da imprensa paulista apoiou o golpe com seus jornais, seu dinheiro e sua inteligência, quando havia. O emprego de carros da Folha, no entanto, em operações que mataram militantes de esquerda, ainda era uma passagem um tanto obscura.

É verdade que, já em 2006, em A Trajetória de Octávio Frias de Oliveira, de Engel Paschoal, uma biografia autorizada do proprietário da Folha, a informação já aparecia com todas as letras (quem quiser conferir, que vá à página 153 da segunda edição, publicada em 2007). Agora, Pilagallo aprofunda o tema. Para isso, ouviu Otavio Frias Filho, diretor de redação, que afirma: “Depois de conversar com meu pai e até com gente que teve ligações com a guerrilha naquela época, eu diria que, sim, os caminhões de transporte da Folha foram usados por equipes do DOI-Codi para fazer campana e até para prender guerrilheiros, ou supostos guerrilheiros, mas tenho convicção de que isso foi feito à revelia do meu pai.”

Uma história e tanto

Em diversas passagens, o leitor de História da Imprensa Paulista experimenta a sensação de que o jornalismo deste estado foi gerado e formatado por uma sucessão de conspirações, entremeadas por arroubos utópicos. De um lado, estão as orquestrações imundas, como essas que ataram jornais a ditadores, atentando contra as liberdades, contra a vida e contra a decência. De outro, os projetos idealistas, como aqueles do século 19 que pretendiam derrubar a monarquia e o regime da escravidão.

No livro, a imprensa emerge como uma entidade engendrada pelo choque não entre as classes, mas entre interesses políticos. Bem sabemos que a imprensa é mais do que um subproduto da política: ela é uma realidade de mercado, entre outras coisas. Pilagallo, porém, preferiu apoiar sua narrativa no fio condutor que expõe os nexos entre jornais e poder. Não é tudo, por certo. Mas já é uma história e tanto.

 

Leia também

Um livro que nasce clássico – Caio Túlio Costa

***

[Eugênio Bucci é jornalista, professor da ECA-USP e ESPM]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem