Terça-feira, 14 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Em memória de Wander Piroli

Por Jorge Fernando dos Santos em 01/06/2010 na edição 592

Foi um sucesso a abertura da II Mostra de Arte dos Jornalistas Mineiros, que vai até 25 de junho na Casa do Jornalista, na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (Avenida Álvares Cabral, 400). O evento comemora os 25 anos da primeira edição, da qual tive a oportunidade de participar ainda no início de carreira. Estão expostas dezenas de obras artísticas, como poemas, contos, crônicas, charges, caricaturas, ensaios fotográficos, pinturas e até mesmo reportagens. Cerca de 30 autores estiveram presentes autografando livros.

O melhor da festa foi ver a sede do sindicato lotada de jornalistas, coisa que raramente tem ocorrido nos últimos tempos, já que a categoria anda dispersa. Aliás, atribuo parte disso à própria desativação da Casa do Jornalista, que sempre funcionou como braço cultural do nosso sindicato. Por problemas burocráticos, que já estão sendo sanados, a entidade ficou fora do ar por algum tempo e agora promete retornar com toda força.

A abertura da mostra homenageou a memória do grande jornalista e escritor Wander Piroli. Participaram do debate sobre sua obra seus antigos colegas Arnaldo Vianna, Carlos Herculano Lopes, Fernando Brant, José Maria Rabelo, Tião Martins e a escritora e professora de Literatura da UFMG, Letícia Malard. A família do homenageado emprestou aos organizadores da mostra alguns de seus objetos pessoais, para que se fizesse uma instalação lembrando seu local de trabalho. A abertura ficou por conta do Secretário de Estado da Cultura, Washington Melo.

Um homem que virou lenda

Lembro ter estado pessoalmente com Wander Piroli apenas duas vezes. A primeira em 1990, durante o coquetel de lançamento da coletânea Flor de Vidro, pela Editora Arte Quintal, na qual tivemos contos incluídos. Na ocasião, ele comentou que lia meus artigos e críticas publicados no Estado de Minas e no ‘Suplemento Literário’ do Minas Gerais. Disse que gostava do meu estilo, mas recomendou-me rigor nos textos e impiedade nas críticas. Conversamos sobre nossas influências literárias e encerramos o papo elogiando o legado de Hemingway.

Muitos anos depois, pouco antes do início de sua enfermidade, nos reencontramos em volta das mesas de sinuca do salão Bronwswick, no alto da Afonso Pena. Eu estava jogando uma partida com colegas do Estado de Minas e ele, com seus colegas do Hoje em Dia. Trocamos obas e olás sem maiores consequências.

Antes ou pouco depois disso, não me lembro exatamente quando, escrevi um artigo defendendo o direito de Paulo Coelho disputar uma vaga na Academia Brasileira de Letras. Com a ironia que lhe era peculiar, Piroli enviou uma carta à redação elogiando meus argumentos e dizendo que concordava plenamente comigo, até porque ‘Paulo Coelho e a ABL se merecem’. A carta foi publicada pelo editor de opinião – Geraldo Magalhães ou Dídimo Paiva, não tenho certeza. Sei que devo tê-la guardado em algum lugar.

De qualquer maneira, quero dizer que sempre admirei Wander Piroli. Não só como jornalista e escritor, mas também como homem que virou lenda nas redações de Belo Horizonte. Seu legado é um exemplo para todos nós. Quando ele morreu, um jornal local relutou em publicar uma grande reportagem. Por picuinha de algum diretor, queriam dar apenas uma nota, mas alguns colegas telefonaram para o chefe de redação argumentando que isso seria uma injustiça e um vexame.

Jornalismo também é cultura

O resultado de tal investida é que permitiram a publicação de uma matéria de 30 linhas. No dia seguinte, toda a redação se sentiu vingada ao ver matéria de página inteira na capa do caderno de cultura do Estado de S.Paulo. Aquela era mais uma prova de que, em Minas Gerais, santo de casa não faz milagre nem mesmo depois de morto.

Hoje, devo reconhecer que aprendi muito lendo Wander Piroli. Seu último livro publicado em vida reúne deliciosas crônicas sobre o bairro da Lagoinha, na coletânea que abriu a coleção BH – A cidade de cada um, da Editora Conceito. Meu livro sobre o Caiçara faz parte da mesma série, para a qual indiquei a jornalista Márcia Cruz, com um excelente relato sobre o Morro do Papagaio. Na novela juvenil No Clarão das Águas, publicada pela Paulus Editora, presto uma justa homenagem ao nosso guru, citando sua obra Os rios morrem de sede, ganhadora do Prêmio Jabuti.

A II Mostra de Arte dos Jornalistas Mineiros foi uma iniciativa de Carlos Barroso, um dos bravos diretores da Casa do Jornalista. Foi ele quem de fato pegou o touro pelos chifres, trazendo de volta um evento que jamais deveria ter saído de cena. Afinal, jornalismo também é cultura.

******

Escritor e jornalista, Belo Horizonte, MG

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem