Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

CIRCO DA NOTíCIA >

Em ritmo de desleixo

Por Mauro Malin em 10/01/2012 na edição 676

Até se compreende, embora não se justifique, que a produção dos jornais diários apresente erros de português (não se veja neste comentário vezo preceptista, mas crítica a erros crassos que prejudicam a leitura).

É difícil, por exemplo, engolir tanto “à” salpicado sem critério, mas, como disse sabiamente Ferreira Gullar quando exercia o nobre e hoje moribundo ofício de copidesque, a crase não foi feita para humilhar ninguém.

A quantidade de erros provavelmente ultrapassa a dificuldade representada pelo volume de textos e pela pressa.

Nos noticiários online, onde não há ou não deveria haver pausas entre “edições”, a situação é pior, não só devido às dificuldades intrínsecas do processo como em decorrência da baixa remuneração (geralmente correlacionada com baixa qualificação e menor experiência dos jornalistas) e da exiguidade das equipes.

Até nos semanais

O que surpreende é que haja tanto erro em cadernos semanais. Palavras que sobram ou faltam (indicando não ter havido releitura), concordâncias estropiadas e outros solecismos dão uma impressão de desleixo.

É uma pena que um caderno como o “Aliás”, do Estado de S. Paulo, entre outros, pague tributo a essa falta de cuidado.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem