Sábado, 08 de Agosto de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

DIRETóRIO ACADêMICO >

Educação redentora… ou quase isso

Por Gabriel Perissé em 12/12/2006 na edição 314

Algumas idéias, tantas vezes repetidas, reiteradas, reforçadas, acabam por se integrar às nossas crenças. Uma crença que se impõe cada vez mais – a educação como elemento fundamental para a construção de um projeto nacional, para o crescimento econômico do Brasil, para a redenção do país.

Não faltam frases definitivas, colhidas na mídia, de norte a sul.

‘Os povos que querem crescer defendem a Escola como único meio social capaz de abarcar ricos e pobres na escalada do desenvolvimento sustentável’, disse o professor João Carlos Costa na Rádio Universidade de Santa Maria (RS).

A educação ‘está fortemente associada ao dinamismo e ao sucesso no processo de geração e distribuição de riquezas’, leio no site do Ministério do Planejamento.

Aloizio Mercadante, em 2002, num seminário internacional cujo tema era ‘Brasil: Como crescer? Para onde crescer?’, declarou ao Jornal da USP: ‘O investimento na educação, na ciência e na tecnologia é fundamental. A educação é hoje o problema estrutural mais grave do país, o ensino está tomado por uma grande mediocridade’.

‘Coisa’ complexa

Educação como acesso para o desenvolvimento. Educação como prioridade, como a menina dos olhos de todos os governantes. Quem dirá o contrário?

Tarso Genro, em entrevista à Folha Online (24/6/2005): ‘Eu acho que a visão da educação como prioridade em um novo modelo de desenvolvimento, cujos elementos de transição estão sendo construídos, na minha opinião, pelo governo atual é que pode realmente alavancar o país para um patamar superior’.

As declarações com a mesma preocupação se acumulam. Educação já. Educação que redime. Educação como prioridade. Quem dirá o contrário?

José Medeiros, ex-secretário de Educação, escreveu na Gazeta de Alagoas, em setembro de 2006: ‘A educação é alavanca propulsora da melhoria social. Isso é dito nas campanhas eleitorais. Passada a eleição, tudo volta à rotina e nem sempre substanciais melhorias são colocadas em prática.’

Educação é alavanca, é instrumento de redenção social, é prioridade das prioridades, é salvação da lavoura, é o melhor investimento. Quem dirá o contrário?

Louvores à educação abstrata, esperança nessa educação idéia, abordagem da educação tema, elogios à educação sonho, educação que paira sobre nossas cabeças, espírito benfazejo distribuindo bênçãos para quem erguer as mãos.

Ninguém dirá o contrário. Acreditamos na educação. Acreditamos na escola. Acreditamos nos professores. Contudo, essa crença esbarra numa ‘coisa’ complexa, que parece diluir todas as nossas palavras: a realidade.

******

Doutor em Educação pela USP e escritor (www.perisse.com.br)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem