Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

E-NOTíCIAS >

Companhias aceleram adaptação a novos endereços

10/01/2012 na edição 676

Desde que celulares, tocadores de música, TVs e outros equipamentos eletroeletrônicos passaram a disputar espaço na internet com os tradicionais computadores, a web se viu mais próxima de atingir a “lotação”. Cada equipamento dispõe de uma identificação própria para conectar-se à rede mundial, conhecida como IP (sigla parainternet protocol). O protocolo atual, o IPv4, dispõe de 4,3 bilhões de endereços eletrônicos e está prestes a atingir sua capacidade máxima. No Brasil, a estimativa é que os endereços se esgotem até 2013. Para impedir a falta de endereços, empresas e governo estão investindo na adoção de um novo protocolo, o IPv6, com capacidade quase ilimitada de endereços.

Um levantamento do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) indica que 568 dos 1,2 mil provedores e grandes redes existentes no país já fizeram os pedidos de blocos de endereço IPv6 – o dobro do volume registrado em 2010. O movimento começou a tomar fôlego em junho, com uma iniciativa do governo federal para estimular a adoção do IPv6 nos órgãos de governo e nas empresas estatais que mantêm grandes volumes de dados, como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Caixa, Banco do Brasil, Telebras, Polícia Federal e Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Antonio Marcos Moreiras, gerente de projetos do NIC.br, afirma que grandes provedores de internet e operadoras de telefonia já se programaram para criar a infraestrutura necessária à implantação do IPv6. Nas empresas, a expectativa é de que migração comece entre o segundo semestre de 2012 e 2013. “Já houve mudança de roteadores e outros equipamentos devem ser implementados neste ano para que tudo esteja pronto em 2013.”

“É preciso fazer um inventário de tudo”

O governo realizou ações importantes para cumprir esse cronograma. O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), que gerencia pouco mais de 144 mil endereços de IPv4 de órgãos de governo, começou a melhorar sua infraestrutura em 2009, diz Weldson Lima, gerente do departamento regional de operações do Serpro. “Sempre que vamos expandir ou atualizar nosso parque de equipamentos, temos o cuidado de inserir especificações de IPv6. Até 2013, quando renovarmos todo o parque, estaremos completamente preparados para o protocolo”, diz Lima. Segundo ele, os sites do governo federal serão os primeiros a migrar para o novo protocolo. No segundo semestre, a mudança será feita nos demais sites.

O primeiro site do governo a migrar para o IPv6 será o do Ministério do Planejamento, diz Delfino Natal de Souza, secretário de logística e tecnologia da informação do ministério. “A expectativa é que o novo portal do Ministério do Planejamento esteja no IPv6 até março”, afirma Souza. Para isso, o ministério realizou uma consulta pública no ano passado para avaliar que tipos de equipamentos de rede deveriam ser adquiridos para oferecer melhor desempenho. Ainda neste trimestre, diz, será divulgada uma licitação para a compra de componentes para 30 instituições federais, entre eles roteadores, comutadores de borda e centrais (equipamentos usados para encaminhar pacotes de dados entre os diversos pontos da rede). O orçamento ainda não está fechado.

No setor privado, o movimento de implantação do protocolo de internet ganhou força entre operadoras e provedores, que fornecem a infraestrutura de conexão de internet para os internautas. O UOL começou a trocar os equipamentos de infraestrutura de redes há dois anos. Atualmente, a companhia renova parte do seu parque de máquinas e faz a implantação de softwares adaptados para rodar em IPv6. “É um trabalho semelhante ao que foi feito na época do ‘bug do milênio’, em 1999. É preciso fazer um inventário de tudo e mudar a infraestrutura em camadas”, afirma Enildo Barros, diretor de infraestrutura do UOL.

Operadoras já definiram seus cronogramas

Além da troca de equipamentos de rede, será necessário instalar novos softwares nos equipamentos, para que aceitem o novo protocolo. Depois disso, é feita a adaptação dos softwares de aplicação vistos nos sites, como serviços de pagamento online, calculadora financeira, funções de criptografia, entre outros. Por último é feita a migração dos conteúdos dos sites do IPv4 para o IPv6. No caso do portal do UOL, parte dos serviços, como o PagSeguro e as salas de bate-papo, estarão habilitados em IPv6 a partir de fevereiro. Já a hospedagem de sites feita pelo UOL Diveo estará adaptada ao novo protocolo em 2013, diz Barros.

O portal Terra iniciou o processo de transição para o IPv6 em 2008, com a realização de testes para identificar a infraestrutura necessária ao projeto e a compra de equipamentos e serviços compatíveis com o novo padrão. Desde então, foram adquiridos mais de 200 equipamentos de rede, entre servidores, roteadores e outros recursos, diz Jeferson Rodrigues, gerente de desenvolvimento de tecnologia do Terra. “Trabalhamos até 2010 preparando a infraestrutura e no ano passado começamos a enfrentar o desafio de entregar conteúdos em IPv6”, diz Rodrigues. Para 2012, o plano do Terra é ofertar todo o seu portfólio no novo padrão, o que inclui serviços de e-mail e conteúdos do portal e do serviço de vídeos online Terra TV.

A Locaweb já fez testes com o IPv6, mas enfrenta dificuldades para ofertar o serviço às empresas por falta de provedores de serviço com estrutura adequada, afirma Alexandre Souza, gerente de redes da Locaweb. “A principal dificuldade de dar continuidade aos trabalhos é que nossos principais provedores de serviço de internet ainda não estão realizando trânsito de tráfego em IPv6”, observa Souza. A Locaweb, segundo o executivo, já atualizou os equipamentos de rede para suportar o tráfego de dados no IPv6. A empresa estima ter sua estrutura preparada até o fim de março. A oferta de serviços de computação em nuvem em IPv6, no entanto, só será feita em 2013.

As operadoras também definiram seus cronogramas no fim de 2011. A GVT informou que começa a oferecer suporte ao IPv6 aos clientes empresariais neste mês. A Oi e a Telefonica pretendem fazer o mesmo a partir de julho. A TIM anunciou investimento de R$ 1,3 milhão em infraestrutura de redes para adotar o IPv6 neste ano, mas fará uma implementação gradativa. A Algar Telecom (CTBC) e os provedores Highwinds, LANautilus, Level3 e TIWS, oferecem suporte desde 2011 (Colaborou Moacir Drska).

***

[Cibelle Bouças, do Valor Econômico]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem