Domingo, 31 de Maio de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

E-NOTíCIAS >

NYT decide reduzir limite de acesso grátis ao site

Por Nelson de Sá em 27/03/2012 na edição 687

O New York Times reduzirá em abril o limite de acesso gratuito ao site do jornal, para não assinantes, a dez páginas por mês. Há um ano, ao lançar seu programa de assinaturas digitais, havia limitado o acesso a 20 páginas. Com a medida, o NYT informou que, em um ano, já alcançou 454 mil assinaturas digitais – sendo pouco mais de 10 mil de seu título no exterior, International Herald Tribune.

O modelo do jornal para cobrança de acesso online, chamado de “poroso” por manter algum acesso gratuito, é considerado bem-sucedido e criou nova fonte de receita para enfrentar a redução na circulação e na publicidade impressas. Outra característica do modelo “poroso”, a permissão de acesso grátis via redes sociais como Facebook e Twitter e ferramentas de busca como Google, segue inalterada.

O NYT justificou a restrição do acesso dizendo que o limite de dez artigos, “mais o acesso gratuito à home page, atinge equilíbrio melhor entre visitação e assinaturas”. Por outro lado, diz o comunicado, “a mudança nos dá a oportunidade de convencer outro segmento de nossa audiência de que vale a pena pagar pelo que o NYT oferece”. No último ano, a estratégia de assinaturas digitais focou os leitores considerados fiéis. O publisher do NYT, Arthur Sulzberger Jr., divulgou ontem uma declaração: “Nosso compromisso com todos os nossos assinantes, de impresso e digital, é que vamos continuar a investir e a evoluir o nosso jornalismo e os nossos produtos. E vamos permanecer como uma fonte de informação confiável e de opinião de alta qualidade por muitos anos.”

Independência da publicidade

A restrição do acesso foi vista pelo analista do site All Things Digital, do concorrente Wall Street Journal, como forma de ampliar a receita “porque o resto de seus negócios continua a se enfraquecer”. O NYT, questiona Peter Kafka, teria sido forçado à decisão. O êxito no estabelecimento de uma nova fonte de receita, com as assinaturas digitais, tornou o NYT um modelo para os jornais americanos, que vêm adotando o mesmo formato “poroso”.

Na semana passada, a editora-executiva Jill Abramson comemorou que os números mostram que o NYT não está sob risco de se tornar “100% dependente de publicidade”, lembrando que “o que sustentou o jornal no último século foi ter dois fluxos de receita, publicidade e circulação”.

***

[Nelson de Sá é articulista da Folha]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem