Segunda-feira, 13 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

E-NOTíCIAS >

Um novo jeito de se produzir notícia?

Por Cleyton Carlos Torres em 29/06/2010 na edição 596

BarCamp em plataforma Open Space funciona de maneira muito simples, produtiva e sem a necessidade de muitas regras específicas para o seu desempenho. O método de organização é o mais simplório possível: proponha as ideias a serem debatidas, trace as grades e horários, rabisque os formatos e apresente. Isso mesmo, apresente. Uma das poucas regras da BarCamp é a de que todos os integrantes devem passar por todas as etapas juntos, discutindo, analisando, discordando e mostrado qual contribuição podem dar. Tudo isso junto e misturado. Tudo isso com um único propósito: colaboração.

Qual o paralelo que podemos traçar entre os cenários da BarCamp e o jornalismo? Simples: o jornalismo contemporâneo caminha para uma espécie de estruturação aberta, colaborativa, dinâmica e sem a tradicional hierarquização das redações dos grandes meios comunicativos comandando tudo por de trás das cortinas. Hoje, todos produzem para todos e isso forçosamente faz com que o jornalismo precise se reinventar e se reestruturar perante os novos panoramas que lhe são apresentados. O jornalismo nunca foi acostumado com o modelo horizontal de produção de notícias. Aliás, nunca se acostumará só com esse modelo.

Até mesmo na BarCamp, onde a estrutura se baseia no mais não vertical possível, a figura do facilitador é essencial para o encaminhamento do processo. Muitos integrantes, ao se inscreverem no projeto de ‘desconferência’, esperam orientações de como agir e atuar, pelo menos em um primeiro momento. Só com o tempo é que adquirem a confiança necessária para expor suas visões e contribuições de não especialistas para com os outros membros relacionados.

A produção qualitativa e as apresentações quantitativas

No caso do jornalismo, esse facilitador moderno se funde na figura do gestor informacional, pois ao contrário dos iPads e jornais impressos que você pode ter ou comprar, a ciência ainda não conseguiu provar a fronteira limítrofe do homem para a aquisição de conhecimento. Porém, provou que, sim, mesmo que vivamos em uma era denominada ‘da informação’, todo ser humano necessita da espécie de um mediador (facilitador, em outras línguas) para a continuidade do gerenciamento da informação e, com isso, a própria continuidade de uma sociedade democrática.

O jornalismo na plataforma BarCamp se baseia na construção não convencional da informação. Jornalista é jornalista e isso o difere de maneira colossal dos outros profissionais de comunicação. Seu papel é o de mediador da sociedade, difusor da informação e facilitador da compreensão, só que agora se vê na necessidade de um conciliamento com centenas de milhares de novos integrantes, em uma estrutura de traços característicos do Open Space, analisando, palpitando, discutindo, delineando grades e horários, discordando e, principalmente, apresentando seus conteúdos de não especialistas.

E é esse o exato ponto com que o jornalismo atual está tendo sua maior problemática: saber somar sua produção qualitativa com as apresentações quantitativas dos outros membros da ‘BarCamp jornalística’. Produzir quantitativamente sabendo conciliar a qualidade apresentada pelos consumidores de informação. No novo modelo jornalístico, devem existir ideias e colaboração pautadas com as visões do gestor da informação, mas também com os olhares daqueles que ajudaram a construir as grades.

A mais pura forma do jornalismo digital

Hoje, cada internauta tem um mouse na mão e isso muda tudo. Mudam as relações imprensa e leitores, mídia e telespectadores. Cada pessoa é um membro em potencial para participar e discutir, propor e, talvez, apresentar ideias em um novo contexto de produção noticiosa. Na BarCamp difundida em 2005, nos EUA, e em 2006, no Brasil, os integrantes interagem e se informam em listas de discussão. Na ‘BarCamp jornalística’, somente o bom senso é o limite: o resto fica por conta das redes sociais e portais jornalísticos.

Todo o processo de contato e gerenciamento pré-BarCamp é feito online, o que projeta uma luz de como o jornalismo pode agir no futuro. Colaboração e gerenciamento totalmente através da web, com múltiplos dedos e opiniões já são realidade. O que deve ser analisado e estudado é qual a maneira que possuímos para reestruturar a nossa própria estrutura, provando que a revolução da comunicação digital não vai matar o jornalismo propriamente dito, mas sim, o preconceito que a própria sociedade detinha para com quem produzia notícia. Ou seja, o jornalismo tradicional foi obrigado a reformular suas áreas não porque era ineficiente, mas porque, de uma vez por todas, a sociedade despertou novos hábitos e viu o quão fundamental é a sua participação direta na produção de conteúdo informacional e jornalístico. O mote, agora, é fazer parte não só dos resultados finais, mas participar, também, de todo o processo de criação.

BarCamp e jornalismo consistem na formulação de um novo conceito: o jornalismo comum morreu. O que temos hoje é a mais pura forma do jornalismo digital, o jornalismo que é feito através de recursos não analógicos para sua difusão em diversas plataformas e formatos de mídia, projetando um jornalismo essencialmente multimídia que nunca esteve tão aberto, não hierárquico e, principalmente, que nunca permaneceu tão online.

******

Jornalista, blogueiro, pós-graduado em Assessoria de Imprensa, Gestão da Comunicação e Marketing e pós-graduando em Política e Sociedade no Brasil Contemporâneo, São Paulo, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem