Sábado, 04 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

ENTRE ASPAS >

Band fica de fora de briga entre Globo e Dunga

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 22/06/2010 na edição 595


Leia abaixo a seleção de terça-feira para a seção Entre Aspas.


 


************


Folha de S. Paulo


Terça-feira, 22 de junho de 2010


 


TELEVISÃO


Laura Mattos


Band decide ficar fora na guerra entre Globo e Dunga


‘A Band decidiu não se envolver na guerra declarada publicamente pela Globo anteontem contra Dunga.


A Band adquiriu da Globo os direitos de transmissão da Copa, e as duas são as únicas redes abertas com o Mundial.


No domingo, após a vitória da seleção brasileira, o técnico se indispôs com um repórter da Globo, Alex Escobar.


Segundo a emissora, ele falou palavrões em voz baixa. No ‘Fantástico’, o jornalista Tadeu Schmidt falou, em tom de editorial, que Dunga não tinha ‘atitude compatível’ com o seu cargo.


Texto semelhante foi ao ar no SporTV e GloboNews, canais pagos ligados à Globo.


Profissionais de outras TVs brasileiras que estão na África avaliam que o problema entre a Globo e o técnico, que não vem de hoje, foi que Dunga acabou com privilégios para a Globo, como as entrevistas exclusivas concedidas por Parreira e pelos jogadores na Copa passada.


Diretor de esportes da Band, José Emílio Ambrósio disse que a Band não se manifestará no ar. ‘Há uma satisfação da imprensa pela forma como Dunga blinda a seleção. Mas essa é uma briga dele com a Globo.’


BATATA QUENTE


Em baixa no Ibope, ‘Malhação’ terá presença de Luciano Huck; na trama, Virgínia Cavendishi e Flávio Bauraqui apresentam a ele a banda The Lícias


Nova diva É com pompa de diva de novela que a engenharia da Globo será apresentada hoje a jornalistas e ao mercado publicitário. A emissora quer deixar claro o seu investimento em interatividade e produção de conteúdo para celular e internet.


Engenhoca A tela de interatividade para a TV digital, que será acessada pelo controle remoto do televisor, está entre as novidades. A Globo também mostrará um caminhão-estúdio que capta e gera imagem em alta definição diretamente das ruas.


Será que vai chover Para a previsão do tempo e informações do trânsito, investiu em um software com atualizações mais velozes do que o que vinha utilizando nos jornais.


Na cola Por enquanto, o Ministério da Justiça considera adequada a classificação de ‘Passione’ para 12 anos -a pasta notificou a Globo, que antes classificava a novela para maiores de 10 anos. Mas acompanha atentamente o desenrolar de tramas mais fortes, como o consumo de anfetaminas, cenas de sexo e insinuação de abuso de menores.


Termômetro Se a temperatura subir muito, é possível que a classificação tenha que mudar para 14 anos.


Educativo O Ministério da Justiça, por outro lado, considerou adequada a forma como foi mostrado o aborto da adolescente Fátima (Bianca Bin). Ela tirou o bebê em segredo, em uma casa clandestina, e quase morreu de infecção.’


 


 


Clarice Cardoso


House encara a si mesmo em episódio tenso que encerra ano


‘Foi um ano duro para House. O médico vivido por Hugh Laurie começa a temporada ‘quebrado’ -como diz o título do episódio inaugural-, em um hospital psiquiátrico, tentando se desintoxicar para recuperar a licença.


Dali em diante, luta contra o vício em analgésicos e contra si mesmo até chegar em ‘Ajude-me’, que encerra o ciclo e oferece boa perspectiva sobre o doutor ranzinza, sem empatia com pacientes mas genial nos diagnósticos.


O mote para isso é um acidente em uma construção que atinge um prédio e faz centenas de vítimas. Ali, House se enfia nos escombros e descobre uma vítima.


A relação que estabelece com essa mulher nas próximas horas dá indícios das origens do bloqueio do médico no trato com pacientes e o força a encarar uma situação que remete ao próprio acidente. E a quem se tornou.


Um capítulo tenso que, ainda mais se associado ao episódio dedicado à dra. Lisa Cuddy (Lisa Edelstein) e ao dirigido por Laurie, fecham um ano ótimo para os fãs -que ganham ainda uma aguardada reviravolta nos segundos finais.


NA TV


House


Final da sexta temporada


QUANDO Quinta, às 23h, no Universal Channel


CLASSIFICAÇÃO 12 anos’


 


 


ELEIÇÃO


Fernando de Barros e Silva


A hora da fugitiva


‘Algum amigo do peito deveria presentear José Serra com um despertador. Talvez um modelo imitando o som da vuvuzela, para entrar no clima. Eram 11h42 quando o candidato tucano à Presidência entrou no palco da sabatina Folha/UOL, evento com transmissão ao vivo marcado para as 11h.


Esperavam-no sentados na primeira fila, à frente da plateia que lotava o teatro, Gilberto Kassab, Geraldo Alckmin, Orestes Quércia, Aloysio Nunes Ferreira, entre tantos outros. Não é fácil descrever a cena, mas todos ali pareciam seus empregados. Serra chegou sério, sem dizer bom dia nem pedir desculpas pelos 42 minutos de atraso.


Ele viria se retratar apenas no final do evento, duas horas mais tarde, depois de ser questionado sobre a razão de viver assim, sempre de mal com o relógio: ‘Eu detesto me atrasar. Eu sofro também, até mais do que as pessoas que esperam’, disse, como se fosse o coelho da Alice. Os psicanalistas talvez se interessem por tanta e sincera aflição.


Serra chegou tarde, mas compareceu à sabatina. Dilma Rousseff, sua principal adversária, fugiu do compromisso que havia assumido. É muito mais sério. A petista tem evitado sistematicamente as situações de exposição e de confronto. Em público, só com papel na frente ou de braço dado com Lula -de preferência, as duas coisas juntas.


Agora, em seu giro europeu, armado às pressas e só explicável pela determinação de tirá-la de circulação, Dilma acabou posando de estadista antes do tempo. Em Paris, se hospedou num hotel de grã-fino nos Champs-Elysées e reclamou do assédio dos jornalistas. Mas não sabia bem o que dizer aos repórteres em Bruxelas, após encontro pouco amigável com o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso.


Dilma vem sendo tratada no PT como um bibelô que deve ser preservado do mundo. Vive hoje numa espécie de redoma, e sua figura vai ficando marcada, inclusive fisicamente, pelo artificialismo. É uma aposta de risco. Que pode vingar.’


 


 


GOVERNO


Melchiades Filho


Portal de notícias


‘O governo Lula se atrapalhou ao levar à internet relatórios internos de avaliação de políticas públicas e cometeu um erro grave ao tirá-los sumariamente do ar, preocupado com a repercussão.


A sequência de atropelos lança dúvidas sobre o novo Portal do Planejamento -ferramenta de gestão promissora, porque reúne em apenas um espaço as estatísticas, leis e notícias de 50 temas sociais, econômicos e de infraestrutura.


O ministério, primeiro, foi imprudente quando, na estreia, semana passada, permitiu a divulgação não só dos dados brutos mas também das reflexões críticas habitualmente feitas pelos técnicos da pasta.


Essa transparência total parece bacana, tão raro é o governo (e sobretudo este governo) admitir erros e escancarar o que de fato pensa. Seu efeito, porém, seria o inverso: um desestímulo à franqueza.


Totalmente expostos às patrulhas, inclusive do próprio governo, os servidores passariam a medir cada palavra. Dificilmente teriam coragem de escancarar a má gerência do PAC ou a corrupção em torno do Luz para Todos, por exemplo.


Então por que o Planejamento agiu mal ao suspender o site? Justamente porque o primeiro catatau publicado foi devastador.


O portal demoliu, entre outras coisas, o plano do biodiesel (economicamente inviável) e iniciativas federais no campo (endividamento da agricultura familiar, concentração de renda e fiasco dos assentamentos da reforma agrária).


São avaliações difíceis para Lula digerir. O presidente bate bumbo do seu desempenho nessas duas áreas. A ponto até de, arrogante, ter anunciado os nomes que cuidarão delas em um governo Dilma (Miguel Rossetto e Paulo Okamoto).


O Planalto, porém, devia ter sido menos sanguíneo. Deixasse as críticas no ar e ajustasse os procedimentos mais adiante. Ao mandar engavetar o portal, só fez confirmar a vocação à propaganda enganosa e a aversão a todo tipo de crítica.’


 


 


INTERNET


James Cimino


Empresas vigiam suas marcas nas redes sociais


‘No aeroporto, prestes a embarcar, um cliente do banco Itaú se deparou com o caixa eletrônico quebrado. Em vez de se irritar, achou melhor tuitar. Em pouco tempo, o problema estava resolvido.


Isso porque cada menção que se faça a uma marca nas redes sociais está sendo atentamente vigiada pelas empresas, como conta o diretor executivo de marketing do banco, Fernando Chacon.


‘Nossa equipe detectou uma reclamação de um problema que o software que monitora os caixas não tinha detectado. Consertamos e respondemos ao cliente, que nos agradeceu via Twitter.’


Hoje, empresas de quase todos os segmentos monitoram blogs, Twitter, Orkut e Facebook com softwares e equipes específicas, conforme constatou o designer Miguel Andrade, 33.


Ao se deparar com um rato agonizante no setor de rações do Extra de Jundiaí, fotografou a cena e a publicou em seu blog e no Twitter.


Três dias depois, o Extra entrou em contato por e-mail, apontou soluções e, segundo o designer, cumpriu.


Alessandro Barbosa Lima, presidente da E.life, que desenvolveu dois softwares de monitoramento de redes sociais, explica que os programas são usados para verificar a qualidade de campanhas publicitárias e atendimento em pontos de venda.


‘Hoje, se a fila do check-in não anda, o cliente tuíta dali mesmo. É o SAC [Serviço de Atendimento ao Consumidor] 2.0’, diz o executivo.


Embora as empresas afirmem não dar preferência às redes, Lima diz que elas estão cada vez mais preocupadas com a rapidez com que a publicidade negativa se espalha pela rede.


‘A propaganda boca a boca sempre existiu, mas era restrita. Agora, cada ‘tweet’, cada postagem tem efeitos em grande escala’, diz Lima.’


 


 


COPA


Eduardo Arruda, Martín Fernandez, Paulo Cobos e Sérgio Rangel


Dunga corta privilégios da TV Globo


‘A briga entre Dunga e a Rede Globo, escancarada pela emissora na noite de anteontem no programa ‘Fantástico’, é mais um capítulo de uma disputa inédita por mais acesso à seleção brasileira.


Ao longo dos últimos dois anos, o treinador encerrou décadas de privilégios da TV e partiu para o confronto.


Nesse caminho, acumulou palavrões contra profissionais da emissora, pediu a cabeça de desafetos no canal e se colocou no papel de censor e crítico de reportagens.


Os primeiros pedidos da emissora negados por Dunga datam de maio de 2008, quando o Brasil fez um amistoso com a Venezuela em Boston. Na ocasião, o técnico vetou a participação de Diego e Robinho em programa.


O choque ganhou força na Olimpíada de Pequim, quando o treinador passou a acreditar que jornalistas que faziam a cobertura da sua equipe, especialmente alguns da Globo, torciam contra o Brasil e queriam sua demissão.


Ao ganhar a medalha de bronze do torneio, virou-se para a tribuna onde estavam repórteres de vários veículos e fez xingamentos parecidos com os do último domingo -contra o jornalista da Globo Alex Escobar, no Soccer City, durante a entrevista da Fifa, após a vitória de 3 a 1 sobre a Costa do Marfim.


Dunga resistiu ao fracasso olímpico, passou a acumular bons resultados e ganhou força para perseguir seus desafetos, inclusive na Globo.


O ápice da disputa aconteceu quando pediu a demissão de Mário Jorge Guimarães, um dos principais profissionais da emissora até então na cobertura da seleção.


Guimarães acabou deixando suas funções na Globo e assumiu um cargo executivo no Sportv, canal esportivo por assinatura da empresa.


No ano passado, no próprio Sportv, Dunga atacou sem rodeios a cobertura que a emissora fazia sobre o time.


Criticou reportagem do jornalista Mauro Naves, outro que esteve em Pequim, em que o profissional descrevia um treino da equipe como ‘leve’ -Dunga detesta quando alguém fala que seu time não treinou pesado.


Falcão, um dos principais comentaristas da emissora, é outro profissional da Globo na lista negra do técnico.


Em maio, no dia em que anunciou os 23 jogadores que iriam ao Mundial, Dunga fez rara deferência à emissora e concedeu entrevista ao vivo no ‘Jornal Nacional’, dando sinais de uma trégua.


Na Copa, porém, a relação se deteriorou rapidamente depois que Robinho, em dia de folga, falou com a TV em um shopping -foi obrigado a pedir desculpa ao elenco.


O ataque de anteontem foi a gota d’água, motivando a resposta da Globo, que deve azedar ainda mais uma relação que já foi umbilical.’


 


 


Rede faz crítica a comportamento do treinador


‘Questionada sobre a relação com Dunga, a Rede Globo informou, por sua central de comunicação, que a sua posição oficial já fora divulgada no ‘Fantástico’.


O apresentador Tadeu Schmidt afirmou que ‘o técnico Dunga (…) não apresenta nas entrevistas um comportamento compatível com a imagem de alguém tão vitorioso no esporte’.


Completou: ‘O que precisa ficar claro (…) é que torcemos muito para que a seleção chegue à conquista de mais um título. E que a preocupação do jornalismo da Globo sempre foi a de levar a melhor informação a você, telespectador, independentemente de quem esteja no comando.’


Em seu blog, o jornalista Alex Escobar afirmou que não faria dessa questão um ‘tema de debate’.’


 


 


Fifa analisa punir brasileiro por palavrões durante entrevista


‘Os palavrões de Dunga na entrevista coletiva após a vitória sobre a Costa do Marfim chegaram até a Fifa.


A entidade, que recentemente puniu o técnico da Argentina, Diego Armando Maradona, pelo mesmo motivo, afirmou ontem que iria analisar o caso do brasileiro.


Dunga passou boa parte da coletiva balbuciando e resmungando xingamentos contra o jornalista Alex Escobar, da TV Globo, e depois contra outros profissionais.


Mas os palavrões foram captados pelos microfones da sala de entrevistas do estádio Soccer City, onde a seleção bateu a Costa do Marfim por 3 a 1 anteontem.


‘É a primeira vez que ouço falar neste assunto, mas vamos analisar’, declarou à Folha Nicolas Maingot, diretor de comunicação da Fifa, ontem pela manhã.


Funcionários da entidade reviram o vídeo da entrevista -procuraram trechos até no YouTube-, mas até o fechamento desta edição não havia definição sobre uma eventual punição a Dunga.


Em 2009, Maradona foi suspenso por dois meses e teve de pagar o equivalente a R$ 42 mil de multa por ter xingado jornalistas após Argentina x Uruguai, pelas eliminatórias.’


 


 


Jogadores da seleção voltam ao Twitter para celebrar boa fase


‘Com a seleção cada vez mais fechada por Dunga, os jogadores comemoraram pelo Twitter a boa fase do time.


Três titulares agradeceram o apoio de amigos e torcedores pelo microblog. Autor de dois gols contra a Costa do Marfim, o atacante Luis Fabiano aproveitou para tuitar.


‘Galera, muito obrigado pelo apoio e pelas mensagens de incentivo, mesmo nos momentos mais difíceis’, disse ontem. Ele não postava uma mensagem desde antes da estreia da seleção brasileira na Copa.


Religiosos, Gilberto Silva e Felipe Melo agradeceram o apoio dos amigos. ‘As orações chegaram aqui’, afirmou Gilberto Silva, que se contundiu na sexta durante um treino, mas atuou durante todo o jogo.’


 


 


Marcos Augusto Gonçalves


Dunga está mais para Zangado, mas o ideal é se virasse o Soneca


‘O Dunga vale por mais de um anão. Como seu correspondente da fábula, prefere ficar mudo, mas quando fala, já vira o Zangado.


O ideal para todos seria ele se transformar no Soneca -como fazia o Vicente Feola, nosso grande técnico em 1958, que, dizem, dormia no banco e deixava a seleção canarinho jogar sossegada.


Apesar do nome de anão, Dunga já está grandinho para entender o papel da imprensa e o que significa ser técnico da seleção. Mas se comporta como se só ele torcesse pelo Brasil.


E o goleirão Júlio César parece que está aprendendo com o Mestre. Quer dizer, com o Dunga. :))


O nosso anão treinador não vai, é óbvio, continuar depois da Copa. Por isso, talvez, tenha comprado essa briga ridícula com o Alex Escobar, da Rede Globo, na coletiva de domingo.


Virou técnico, mas ainda bate como volante grosso.’


 


 


TECNOLOGIA


Mais de 30 Estados americanos devem investigar Google


‘O procurador-geral do Estado de Connecticut, Richard Blumenthal, afirmou que mais de 30 Estados norte-americanos estão interessados em investigar a coleta de dados feita pelo serviço Google Street View.


‘O meu escritório vai liderar uma investigação -que deve envolver um número significativo de Estados- sobre a invasão de dados pessoais profundamente perturbadora realizada pelo Google’, afirmou, ontem, Blumenthal.


O serviço de mapeamento vem sendo alvo de polêmica em vários países (como França, Alemanha e Austrália) porque coletou dados de internautas por meio de redes de internet sem fio desprotegidas. O Google afirma que a coleta de dados foi acidental.’


 


 


Redução no preço do Kindle também vale para o Brasil


‘A Amazon reduziu o preço do leitor de livro eletrônico Kindle (com tela de seis polegadas) de US$ 259 para US$ 189. O corte também vale para o cliente brasileiro.


No entanto, o brasileiro continuará pagando mais pelo aparelho: contando frete e impostos, ele chega ao país por US$ 410. Na Índia, onde a taxa de importação também é alta, é vendido por US$ 284.


Em certos países, como Hong Kong, o Kindle não paga a taxa de importação. Alguns especialistas acham que o Kindle está na mesma categoria de livros e jornais e não deveria pagar impostos no Brasil.’


 


 


PUBLICIDADE


Mariana Barbosa


Brasil deve levar 4 ouros em Cannes


‘A publicidade brasileira deve vencer hoje quatro Leões de Ouro no festival internacional Cannes Lions 2010, espécie de Oscar da publicidade. A Folha apurou que a campanha ‘Dial’, criada pela Lew’Lara/TBWA para a Cultura Inglesa, vai receber um troféu de ouro na categoria rádio.


Os outros três ouros, todos na categoria outdoor, vão para as agências AlmapBBDO (campanha de lançamento da revista Billboard no Brasil), Denstu (campanha para L’Univers de Chocolat) e Lew’Lara/TBWA (três peças para a montadora Nissan).


Os resultados serão anunciados oficialmente hoje.


Na categoria mídia, que também será anunciada hoje, o Brasil concorre com nove ações.


Ontem, dia de estreia da 57ª edição do festival, o Brasil levou 12 troféus: seis de prata e seis de bronze, nas categorias relações públicas (PR), marketing direto (Direct) e promoção (Promo).


Somando as três categorias, cujos resultados foram anunciados ontem, foram inscritos 3.607 trabalhos de quase 70 países. Eles concorreram a 174 troféus.


O Brasil concorreu com 238 trabalhos nas três categorias. Na categoria PR, os três pratas para as agências LiveAD (campanha ‘Bovap’ para a corretora Souza Barros), F/Nazca S&S (com a campanha ‘Xixi no Banheiro’ para a SOS Mata Atlântica) e a gaúcha DCS (campanha ‘Eu já sabia’, para a Olympikus).


Na categoria promo, o país levou três bronzes: um para a ação promocional para o Burger King, criação da agência Ogilvy, e dois para uma campanha de consumo consciente de bebidas, também da Ogilvy.


Os outros três pratas e mais três bronzes ficaram para a categoria de marketing direto. A Ogilvy ganhou dois de prata e a DM9DDB venceu um de prata e um de bronze. Os outros bronzes foram para Sun/MR e Loducca/ MPM.’


 


 


FRANÇA


Jornal ‘Le Monde’ diz ter recebido ofertas de compra de dois grupos


‘O ‘Le Monde’, o mais famoso jornal francês, anunciou ontem ter recebido duas ofertas de compra de investidores.


O jornal procura um comprador que consiga recapitalizar o grupo -fortemente endividado, com montantes estimados entre 80 milhões e 120 milhões.


A primeira oferta associa o mecenas Pierre Bergé, o banqueiro Matthieu Pigasse e o presidente da operadora de telefonia Free, Xavier Niel.


A segunda é constituída por Claude Perdriel, presidente da revista ‘Nouvel Observateur’, pela operadora de telefonia France Télécom e pelo grupo espanhol Prisa (do jornal ‘El Pais’).


Na corrida pelo ‘Le Monde’, cada concorrente tenta diminuir a oferta do adversário.


A compra do ‘Le Monde’ tomou uma dimensão política com a revelação de que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, anunciou que a oferta Bergé-Pigasse-Niel não era de todo desejável.


Alguns observadores veem também a mão da presidência francesa atrás da oferta da France Télécom, da qual o Estado possui 26%.


A direção do ‘Le Monde’ disse também, em comunicado, ter recebido, igualmente ‘manifestação de interesse’ por parte do Grupo Revenu Multimédia. O ‘Le Monde’ deve anunciar sua decisão no próximo dia 28.’


 


 


 


************


O Estado de S. Paulo


Terça-feira, 22 de junho de 2010


 


EUA


General McChrystal critica gestão e funcionários de Obama em revista


‘Um oficial do governo dos EUA disse nesta terça-feira, 22, que o general Stanley McChrystal foi convocado por Washington para se encontrar com o presidente Barack Obama na Casa Branca na quarta-feira ‘para explicar ao Pentágono e ao comandante em chefe suas citações no artigo’, da edição de 8 a 22 de julho da revista americana Rolling Stone. As informações são do jornal New York Times.


O artigo faz um perfil do general e sua equipe e os cita como críticos contundentes de funcionários da gestão de Obama, do embaixador dos EUA no Afeganistão e de autoridades europeias. O governo estabelece que McChrystal deve realizar uma teleconferência por mês com a Casa Branca, disse a fonte. Desta vez, porém, ele recebeu ordens retornar para Washington devido ao artigo.


O texto da Rolling Stone mostra o general e seus assistentes dirigindo duras críticas contra o vice-presidente, Joe Biden; o embaixador americano no Afeganistão, Karl Eikenberry; o enviado especial dos EUA ao Afeganistão e ao Paquistão, Richard Holbrooke; e contra um ministro francês não identificado. Um dos assessores de McChrystal foi citado referindo-se ao conselheiro de segurança nacional, James L. Jones, como um ‘palhaço’.


Um alto oficial da administração americana disse que Obama ficou furioso com o artigo, particularmente com a sugestão de que ele não estava interessado e preparado para discutir a guerra depois de ter assumido o posto. O oficial disse que Biden, que também foi criticado, participará da reunião na quarta com o presidente.


O artigo cita assessores dizendo que McChrystal estava ‘muito desapontado’ por uma reunião no Salão Oval com Obama, e que ele achou o presidente ‘desconfortável e intimidado’ durante uma reunião com o Pentágono e outros generais.


O texto não mostra nenhuma diferença política séria com Obama, que escolheu o general McChrystal para comandar um grande envio de tropas e material, com esperança de reverter a situação que se encontra deteriorada no país. Ainda assim, a revista parece destinada a levantar questões sobre o julgamento de McChrystal, e acender o debate sobre a sabedoria da estratégia de Obama, em um momento em que a violência no país está crescendo rapidamente.


Em um comunicado, McChrystal se desculpou por suas observações.’Eu estendo as minhas mais sinceras desculpas por esse perfil’, ele disse. ‘Foi um erro refletindo pouco julgamento e nunca deveria ter acontecido. Durante minha carreira, eu vivi pelos princípios da honra pessoal e integridade profissional. O que está refletido neste artigo está longe desses parâmetros’ continuou.


McChrystal encerra o comunicado mostrando seu apreço à administração e se retratando pelo erro. ‘Eu tenho um grande respeito e admiração pelo presidente Obama e sua equipe de segurança nacional, e pelos líderes civis e tropas que lutam nesta guerra e eu continuo compromissado com seu sucesso’.


McChrystal está a cargo das operações dos EUA no Afeganistão desde junho de 2009, quando foi promovido à patente de general. Atualmente, mais de 140 mil soldados estão sob seu comando, já que as tropas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) também respondem às suas ordens.’


 


 


MÚSICA


Sílvio Guedes Crespo


Morto, Michael Jackson gera ganhos de US$ 1 bi, estima revista


‘O músico Michael Jackson gerou ganhos de mais de US$ 1 bilhão desde a sua morte, em 25 de junho do ano passado, segundo estimativa da revista Billboard. ‘É uma triste verdade: Michael Jackson pode ter mais valor morto do que vivo’, diz a reportagem. Ou no jargão de analistas de mercado, se poderia dizer que o artista morreu ‘na baixa’, ou seja, antes de um período de valorização.


A revista descreve quanto o espólio de Michael Jackson rendeu nos vários segmentos do mercado musical, totalizando US$ 1,017 bilhão. Veja os destaques de cada item:


Venda de música: US$ 429 milhões


Depois de morto, Michael Jackson vendeu 9 milhões de discos nos Estados Unidos e 24 milhões em outros países, diz a Billboard, citando a Nielsen SoundScan. A revista estima que, a um preço de US$ 11,62 por unidade vendida (já descontado o que ficaria com a gravadora), o catálogo de Jackson gerou US$ 383 milhões em vendas.


No ambiente digital, a Billboard estima vendas de 26,5 milhões de músicas no mundo, o que corresponde a ganhos líquidos de US$ 34 milhões. Em toques para celular (ringtones), as vendas chegaram a 1,5 milhão nos EUA; a revista calcula que, considerando o mundo todo, esse número tende a dobrar, atingindo 3 milhões, gerando US$ 5 milhões líquidos. Outros US$ 6,5 milhões devem ter sido gerados por execução digital de música.


Obras audiovisuais: US$ 392 milhões


O documentário sobre Michael Jackson, ‘This Is It’, lançado em 28 de outubro, rendeu US$ 72 milhões em bilheteria nos EUA e US$ 188 milhões no mundo. Além disso, a produtora AEG vendeu à Sony Pictures imagens do ensaio por US$ 60 milhões. Em DVD, esse filme gerou US$ 43 milhões em vendas e US$ 25 milhões em aluguéis.


‘This Is It’ também foi comercializado em formato para o videogame PlayStation no Japão, gerando US$ 18 milhões só no dia do lançamento. No formato Blu-ray, foram vendidas 351 mil cópias que geraram, segundo a Billboard, US$ 7 milhões. Contratos do filme para a TV teriam rendido outros US$ 15 milhões.


Editora musical: US$ 130 milhões


A Mijac, editora de música de Michael Jackson, administrada pela Warner/Chappell, estava avaliada em US$ 75 milhões em 2005. Hoje, na estimativa da Billboard, a empresa deve valer US$ 150 milhões. A revista diz que, ‘segundo fontes’, nos últimos 12 meses a empresa teria faturado US$ 50 milhões, o dobro da média anual antes da morte do artista.


Licenciamento e turnê: US$ 35 milhões


A turnê que Michael Jackson faria em 2009 na casa O2, em Londres, foi cancelada, mas ingressos não reembolsados geraram ganhos de US$ 6,5 milhões. Além disso, o merchandising de Michael Jackson pela Bravado, empresa que cuida da imagem do artista, rendeu US$ 5 milhões, segundo a Billboard.


Contrato com a Sony: US$ 31 milhões


A revista lembra que a Sony Music Entertainment chegou a um acordo para lançar dez álbuns com músicas de Jackson até 2017 que, na avaliação da revista, devem somar de US$ 200 milhões a US$ 250 milhões. Por enquanto, nenhum desses discos foi lançado, mas, se ao menos um desses contratos for reconhecido como legal, diz a Billboard, isso acrescentaria US$ 31 milhões ao espólio de Jackson. Entre os álbuns, há a expectativa de lançamento em novembro de uma coletânea de gravações antigas inéditas, segundo a reportagem.’


 


 


INTERNET


Sílvio Guedes Crespo


Google planeja vender música no site de busca e concorrer com Apple


‘O Google tem planos de lançar no fim deste ano um serviço de downloads de músicas atrelado ao site de buscas, segundo o Wall Street Journal.


O jornal disse ter obtido as informações com pessoas ligadas ao negócio. Elas preveem o lançamento de uma loja online de músicas do Google em alguns meses.


A reportagem não traz mais detalhes, mas observa que, se concretizado, o plano intensificará a rivalidade com a Apple, atualmente a empresa que mais vende músicas pela internet nos Estados Unidos.


As duas companhias se tornaram concorrentes diretas quando o Google lançou seu software para celular, o Android, para competir com o iPhone, da Apple. Recentemente, observa o jornal, a empresa da maçã revidou, lançando uma plataforma de publicidade para iPhone e iPad (novo aparelho da Apple) que, segundo o Google, pode limitar a competição no setor de anúncios online’


 


 


GOVERNO


Lu Aiko Otta


Texto retirado de site do Planejamento critica a reforma agrária de Lula


‘O texto estava na Portal do Planejamento, classificado entre as chamadas ‘reflexões críticas’, e foi tirado do ar na sexta-feira, 18, depois que alguns ministros reclamaram das conclusões sobre suas áreas. O Estado obteve uma versão dos documentos censurados.


‘Pode-se afirmar que, até o momento, não se conseguiu realizar a reforma agrária, de fato’, diz o documento. ‘Apesar de passarem a ter acesso a terra e a alguns serviços, a qualidade de vida dessas populações (os assentados) permanece muitas vezes a mesma que era antes de terem sido assentadas.’


Na sexta-feira, o Ministério do Planejamento divulgou nota na qual ressaltou que as críticas não diziam respeito apenas ao governo Luiz Inácio Lula da Silva. O texto, porém, aponta falhas no período mais recente. Diz que não se construiu um ‘plano sucessor’ após o Plano Nacional de Reforma Agrária, de 2006, ‘nem foram traçadas metas para a reforma agrária para o período do PPA (Plano Plurianual de Investimentos) 2008-2010.’


Constata ainda que não existe ‘uma cultura de avaliação que se proponha a testar os reais efeitos da política como um todo.’ No capítulo sobre agricultura familiar, o texto ressalta que a oferta de crédito está concentrada no Sul do País – e não no Nordeste, onde a atividade ‘remete a condições de extrema pobreza’. Outra contradição no texto está na assistência técnica. Citando o Censo Agropecuário, o documento mostra que apenas 20% das propriedades pequenas, com até 500 hectares recebeu assistência técnica, ante 60% dos produtores com áreas entre 500 e 2.500 hectares.


Filas. O País corre um risco ‘não probabilístico’ de desabastecimento de energia elétrica, por causa da imprevisibilidade dos cronogramas de construção das usinas hidrelétricas, diz o documento no capítulo sobre eletricidade. A demora na concessão de licenças ambientais e os atrasos decorrentes de questionamentos por parte do Ministério Público geram insegurança que afasta investidores. Por causa do custo ambiental, as usinas acabam ficando mais caras e, consequentemente, as tarifas se elevam.


Obsessão. A modicidade tarifária, uma obsessão da ex-ministra Dilma Rousseff, é questionada pelo texto. Ele diz que o benefício é relativo, pois ‘pode induzir um consumo e um desperdício maior, bem como o abandono de medidas de eficiência energética’.


O fim das filas no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que o presidente Lula cobrou do ministro da Previdência durante entrevista ao vivo em uma rádio, é desmistificada pelo texto do Planejamento. ‘As filas que ocorriam, até mesmo antes da abertura das agências, diminuíram, mas surgiu o fenômeno da fila virtual, ou seja, o usuário faz o agendamento do atendimento pelo telefone, mas precisa esperar um tempo excessivo para que o atendimento efetivo ocorra. Muitos dos serviços oferecidos têm prazo superior a 30 dias entre o agendamento e o atendimento, causando atrasos na concessão de benefícios.’


O Ministério do Planejamento sustenta que as ‘reflexões críticas’ não são uma posição da pasta, e sim dos técnicos que elaboraram os textos.


Fora do ar. O Portal do Planejamento só deverá voltar ao ar na semana que vem, mas as ‘reflexões’ não serão mais acessíveis ao público. ‘É uma ideia de jerico criar um espaço para críticas e, quando elas vêm, fechá-lo’, criticou o deputado Raul Jungmann (PPS-PE), que foi ministro do Desenvolvimento Agrário no governo Fernando Henrique.


‘Eu, que acabei de chegar de Caracas, estou convencido de que o DNA é este: interditar vozes discordantes.’’


 


 


COPA


Tutty Vasquez


O que faz o Dunga infeliz?


‘Não será surpresa para esta coluna se, na próxima sexta-feira, após uma vitória tranquila sobre Portugal, Dunga tirar satisfações com Galvão Bueno pela maneira acintosa como o locutor torce contra o Brasil na África do Sul. Periga até, se a CBF não providenciar logo uma camisa-de-força para o técnico, ele acabar ofendendo a mãe da Glenda Kozlowski ao vivo, em rede mundial de TV.


Na coletiva do último domingo, com tantos jornalistas bons para se xingar na platéia, Dunga escolheu justo o Alex Escobar, aquela flor de careca da TV Globo, para despejar seu repertório curto e grosso de palavrões. Sem mais nem menos! Tomou, por isso, um pito daqueles do Tadeu Schmidt no Fantástico, mas quem conhece o técnico sabe que vai ter troco. A Fátima Bernardes que se cuide, se é que já não foi praga do Dunga a dor de garganta que a tirou do ar na semana passada!


Nada de pessoal contra este ou aquele jornalista! Dunga está, como se diz no futebol, batendo para onde o nariz aponta. Não há vitória que aplaque sua infelicidade congênita! Pelo contrário, vencer só alimenta sua sede de vingança. Dizem até que dia desses, depois do treino, ele cismou que uma camareira do hotel o teria desaprovado com o olhar. Ah, coitada!’


 


 


Agenda positiva


‘Pensando bem, podia ser pior!


Imagina só se o Dunga fosse técnico da França, da Inglaterra, da Itália ou da Alemanha!


Já teria batido em, pelo menos, meia dúzia de jornalistas!’


 


 


 


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem