Sexta-feira, 05 de Junho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

O tempo da “hipertelevisão”

Por Carlos Tourinho em 06/03/2012 na edição 684

Carlos Scolari cunhou o termo “hipertelevisão” para classificar a atual etapa deste meio de comunicação em contraponto às fases datadas por Umberto Eco. Ao analisar a história da TV, especificamente na Europa, Eco estabeleceu dois períodos distintos:

1.A “paleotelevisão” vai da década de 1950 até meados dos anos 1970. Trata-se de uma televisão marcada pelo monopólio público e pela mão firme do Estado. Éuma televisão tutelada pelo governo, distante do público e com direcionamento pedagógico. Havia poucos aparelhos de televisão e pouquíssimas emissoras. Trata-se da fase da “TV janela” tão citada pelos teóricos de Comunicação. Uma televisão em que as pessoas assistiam, de dentro de casa, o que acontecia no mundo, ou o que se “permitia” que assistissem do mundo.

2.A “neotelevisão” já trata de um período mais recente, indo da segunda metade da década de 1970 até, na visão de alguns autores, o final dos anos 1980. No entanto, boa parte de suas características ainda permanece visível, metamorfoseando-se, adaptando-se e, também, desaparecendo aos poucos. A principal característica da neotelevisão, na Europa, é a desregulamentação do setor, que passa a funcionar num sistema misto público e privado, com uma oferta cada vez maior de novas redes de televisão.

Os horários da programação expandem-se e a televisão passa a aproximar-se de seu público. Ela se apresenta como a principal atração: é a notícia, o espetáculo. A metáfora, agora, é a da “TV espelho”, aquela que se espelha em si mesma e deseja despertar para si o interesse do público. Exibe seus bastidores e finge não ter segredos para a audiência. É nesse período que a televisão tenta descobrir os gostos do telespectador, amplia a presença do entretenimento na programação, desconstrói a linguagem formal e começa a perseguir uma narrativa de interação com a audiência, uma busca da cumplicidade.

[Assista aquie aquiao vídeo da entrevista com Carlos Scolari.]

A televisão da atualidade

Há diversos autores que anunciam uma “terceira” fase em que a televisão passa a se ocupar não mais do mundo ou de si mesma, mas de seus telespectadores, num ambiente de convergência mediática sob o controle do telespectador. Estafase é exemplificada pelos reality shows, como o Big Brother.

Osemiólogo Eliseo Verón é um desses autores. Para ele, há uma mudança de paradigma e, portanto, uma nova etapa. Entre outros aspectos, Verón destaca que nesta fase a programação da TV dá uma oportunidade aos espectadores de decidirem o desfecho dos programas e, pela primeira vez, aqueles assumem um protagonismo na televisão. Esta fase, para Verón, será o desfecho da TV generalista, a morte da televisão como a conhecemos hoje.

Como Verón, outros teóricos tentam apreender e classificar seus novos significados. Ramonet e Piscitellitêm apostado no conceito de “pós-televisão” para definir a fase atual que seria um aprofundamento das características da neoTV, com a progressiva eliminação das fronteiras entre os gêneros. François Jost chama a atenção para o limiar de um novo momento em que imagens reais e fictícias se misturam, apagando as fronteiras que separam os programas da publicidade. Já Carlos Scolari, nosso entrevistado aqui, prefere chamar de “hipertelevisão” o atual estágio.

Para Scolari, o atual estágio da TV não pode ser visto simplesmente como uma sequência linear da história, daí dizer que descarta o conceito de pós-televisão. Para ele, essas mudanças vão muito além de um simples aprofundamento das características da neotelevisão, como dizem os defensores do conceito de “pós-televisão”. Embora a hipertelevisão extrapole as classificações anteriores, também incorpora alguns de seus elementos. Daí, Scolari defender a ideia de que as “fases” não têm fronteiras rígidas.

Um exemplo citado por Scolari como paradigmático da hiperTV é o surgimento, na década de 1980, da americana CNN “con sus propias características, por ejemplo, la polifonía y la fragmentación de la pantalla”, diz, referindo-se às múltiplas mensagens e janelas sobrepostas à tela principal dessa televisão. Uma construção feita a partir do sistema das “janelas” criadas na informática. A hiperTV é uma televisão instalada em uma sociedade em rede, nos termos definidos por Manuel Castells. Para este, a sociedade desloca-se de um sistema de mídias de massa para um sistema multimídia especializado e fragmentado, com audiências segmentadas. “Como o sistema é diversificado e flexível, é cada vez mais inclusivo de todas as mensagens enviadas na sociedade”, garante Castells.

Novo paradigma em construção

Embora a TV que temos hoje ainda preserve muitas das características da neoTV, já podemos reconhecer elementos que se apresentam como o arcabouço de um novo paradigma em construção:

** Ainteração crescente entre emissor/receptor e receptor/receptor, algo próximo da experiência entre usuários da internet;

** Aarticulação da TV com outros media interativos;

** O empoderamento do telespectador;

** Ouso da interatividade digital para customizar programas, alterando o desfecho destes, como nos videojogos;

** O incremento de novos terminais para assistir TV, como as telas do computador, dos tablets, celulares, consoles de videojogos;

** Apossibilidade de acesso a essas plataformas a qualquer momento e em qualquer lugar;

** Omodelo da escassez analógica substituído pelo da abundância digital, visível nos milhares de canais produzidos por anônimos e disponibilizados em servidores como o You Tube;

** A prevalência da programação assincrônica, com a oferta de vídeo-on demand (VOD) de programas completos ou de fragmentos, cuja montagem caberá ao telespectador interativo, sobre o modelo de fluxo vertical de programação;

** Aflexibilização e a pulverização da fronteira o entre os gêneros informativo e de ficção;

** O fim das fronteiras rígidas entre conteúdo e publicidade, dando origem a novos modelos comerciais, não mais baseados em intervalos publicitários;

** Aintensificação dos “macrorrelatos” com expansão das histórias em diferentes e convergentes plataformas;

** Alinguagem audiovisual padrão substituída por uma linguagem multimídia transversal, interativa, com estímulo à busca e à navegação;

** Aintrodução de novas linguagens, fruto da convergência com outras mídias.

Interatividade no telejornalismo

Conectada com outras plataformas e libertando-se, aos poucos, de uma programação “em fluxo” típica da TV tradicional, a hiperTV, segundo Scolari, lança mão de uma narrativa transmidiática. Um exemplo é o da série televisiva Lost, que se expande para videojogos, livros e uma série de outros elementos. Na sua entrevista, Carlos Scolari esclarece que a narrativa transmidiática não se limita à ficção. Está na publicidade e, também, no jornalismo. Neste último aparece nas múltiplas plataformas onde uma notícia pode ser apresentada.

Se isso, em certo limite, já era possível entre as chamadas mídias tradicionais, ganhou novas dimensões na atualidade digital. A notícia pode nascer numa publicação no Twitter ou numa conversa no Facebook, chegar à redação da TV, passar pelo jornal e repercutir em qualquer outro meio, com linguagens, estéticas e narrativas diferentes e complementares. A esta expansão soma-se outro elemento da hipertelevisão que é a colaboração dos usuários na construção do conteúdo, enviando textos, fotos, comentários ou sugestões de pautas. Um trajeto sem fim, onde novas interferências surgem durante o percurso.

É neste ambiente que se reserva um novo papel para o telespectador na televisão atual. Quando o apresentador do telejornal diz que “vamos” saber o que aconteceu, ele está tentando incorporar o público no seu discurso e na sua ação. Ou seja, “vamos saber juntos”. Trata-se de um efeito retórico para simular a participação, garante Carlos Scolari.

Em outro ponto desta entrevista Scolari diz que a televisão tenta simular as novas mídias para ser “o que não é”, ou seja, uma mídia interativa. Questionado se não seria esta busca pela “interatividade” o principal significado da hiperTV, Scolari diz que não. Afirma que são coisas diferentes: a TV interativa está contemplada na hipertelevisão, mas esta é uma classificação mais abrangente. Trata-se de uma televisão mais complexa. Uma TV com um ritmo novo para um telespectador habituado à velocidade dos videojogos e à hipertextualidade da linguagem da internet.

Carlos Scolari fala de seu ceticismo e – até – decepção com as promessas da TV digital terrestre, a TDT. Questiona os mitos em torno desse tema e aponta um dos possíveis motivos para que a interatividade ainda não tenha decolado: os custos econômicos desse formato. Responde se é ou não importante haver interatividade no telejornalismo e se há alguma relação dessa estratégia com o futuro da televisão. Finalmente, destaca uma questão que ainda vai requerer respostas definitivas: como (re)construir a opinião pública e o elo social neste novo mundo marcado pela segmentação de conteúdos e pelas audiências fragmentadas.

Quem é

Carlos Scolari, de 49 anos, é professor da Universitat Pompeu Fabra, na Catalunha, em Barcelona, Espanha. Antes de migrar para a Europa, em 1990, foi professor da Universidad Nacional de Rosário, cidade em que nasceu, na Argentina. Suas investigações no campo da Comunicação concentram-se no impacto da internet sobre os meios de comunicação de massa. Ultimamente, tem-se dedicado à influência dos discursos transmidiáticos na linguagem televisiva, naquilo que ele chama de “ecologia de los medios”. Esta entrevista (assista aquie aqui) foi feita no âmbito do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, da Universidade do Minho, em Braga, Portugal.

***

[Carlos Tourinho, editor do Bom Dia ES (TV Gazeta/Rede Globo), é doutorando na Universidade do Minho, em Braga (Portugal)]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem