Quinta-feira, 09 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Relações públicas e capital humano

Por Ronilson de Souza Luiz em 08/06/2010 na edição 593

Apenas a sonoridade tão parecida das duas palavras – polícia e notícia – já é suficiente para notarmos as ligações perigosas que elas podem estabelecer. Nossas polícias, em todos os seus níveis, e a PM, em particular, têm investido fortemente em suas equipes de relações públicas, no capital humano que trabalha com comunicação.

A PM diuturnamente mantém contato com a mídia, realiza comunicação com a comunidade, recebe comunicação do governo, além da publicidade institucional, que tem nas viaturas, solípedes, barcos e aeronaves a presença institucional sendo divulgada. Nesse sentido, por exemplo, o ganho na imagem pela padronização do grafismo em todas as viaturas é incalculável.

A PM também tem focado sua atenção no público interno, uma vez que circulam muitos boatos na área de segurança. Por boatos entenda-se informação relevante divulgada de forma imprecisa ou com dados insuficientes.

Por mais que intelectuais praguejem a programação e as pautas, nos dias que se correm, ainda privilegiam a polícia, a tragédia, o inusitado. De forma geral, as grandes instituições e empresas não cometem mais o erro básico de, em momentos de crise, cortarem exatamente a área que poderá/deverá reverter ao menos a sensação momentânea do episódio vivenciado.

Imediatismo e ânsia de atualizações

Temos seguido a ‘regra de ouro’ para as situações de crise extremada, ou seja, aquelas que têm o evento morte como parte do resultado. Nestes momentos, a atitude fundamental não é esconder ou minimizar os fatos, mas acolher e saber lidar/ouvir os familiares das vítimas. São momentos em que a transparência e a forma proativa do setor envolvido são primordiais.

Há pelo menos duas décadas deixamos de nos preocupar com as relações de causa e efeito, e passamos a incrementar a aproximação viabilizada pelo simbólico da filosofia do policiamento comunitário. Os diversos tipos de desamparos, as múltiplas dependências, as violências são algumas das experiências com as quais se confrontam homens e mulheres em seu desenvolvimento individual e na vida social, o que não se pode esquecer é que para muitos para além de capas de noticiários são marcas em suas vidas.

O crescente discurso uniforme e as muitas repetições de pauta, além das trivialidades, geram a abolição das diferenças entre público e privado, o ser e o parecer, o consumidor e o cidadão, o fato real e o publicado na rede (www). Ainda estamos aprendendo a lidar com a ferramenta internet que dissolve toda hierarquia, respeito, sacralidade e expande o conceito de alteridade e transcendências, uma vez que reduz os tradicionais distanciamentos. De alguma maneira a rede mundial de computadores tem favorecido o narcisismo, alguns outros vícios e desvios de comportamento. Certamente o imediatismo e a ânsia de constantes atualizações têm gerado buscas incessantes por notícias – sem critérios e com senso ético diminuído.

A volta ao ponto de equilíbrio

A horizontalidade e o imediatismo da rede comprometem os atributos do bom texto jornalístico, favorecendo o narcisismo e o autoengano.

É preciso, como escreve José Saramago nas Intermitências da morte, quando fala das posições ambíguas, perder o costume de encanar a perna a rã, dar uma no cravo e outra na ferradura, acreditando que este seja o papel da imprensa. No caso da polícia, informação de qualidade faz muito bem para a saúde, para a área educacional e, sobretudo, para os mais necessitados de serviços públicos. A via midiática necessita lentamente deixar de ser uma fonte de finos prazeres para refazer-se um precioso e insubstituível artefato de combate, visando a ampliar liberdades.

Sabe-se que a esperança para os que precisam ser noticiados é poder encontrar na escuta e no olhar sensível do profissional de imprensa a ressonância necessária para criar outros e novos caminhos para suas demandas, parte delas recorrentes. Enfim, as notícias jornalísticas precisam voltar ao seu ponto de equilíbrio, uma vez que têm pendido para um lado sombrio, o lado mais pesado, ou seja, o das paixões do momento.

******

Doutor em Educação, professor universitário e capitão da sala de imprensa da PMESP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem