Terça-feira, 07 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

ENTRE ASPAS >

Elena de Regoyos

03/11/2005 na edição 353


‘Sus artículos de crítica periodística son publicados semanalmente en varios diarios de Brasil. Desde hace 53 años Alberto Dines ejerce el periodismo con mentalidad crítica, campo en el que acabó conquistando autoridad en Brasil y el mundo entero. Director y creador del site, programa de televisión y de radio ‘Observatorio da Imprensa’, se ha convertido en el principal crítico de medios de Brasil, conocido y respetado por todos, además del prestigio del que goza en Portugal, donde fue director de medios, y en Estados Unidos, donde ha enseñado durante años la profesión. ¿La principal crítica que hace de la prensa? Su politización.


Pregunta: ¿Qué es el Observatorio da Imprensa?


Respuesta: Es un proyecto que envuelve varias cosas y forma parte del instituto Projor, de desarrollo del periodismo. Nacimos en el Labjor (Laboratorio de Estudios Avanzados en Periodismo de la Universidad brasileña Unicamp) hace ya diez años y fuimos creciendo mucho y rápido, por lo que acabamos creando este instituto. Empezó como un site en Internet de crítica de medios de comunicación y despúes surgió el programa de televisión y ahora también el de radio.


P: ¿Por qué eligieron Internet para comenzar con el Observatorio da Imprensa?


R: Eso fue en 1996, cuando todo el tema de Internet estaba comenzando a despegar. Fue todo fruto del trabajo que hicimos en el Labjor de la Unicamp, donde entre otros proyectos se forma a profesores de periodismo, y dentro de eso lo que hacíamos era discutir el papel de la prensa en la sociedad. Entonces pensamos en hacer público ese debate, y pensamos en distintos formatos. Una revista era demasiado caro, los debates no acaban de cuajar entre la sociedad… así que nos propusieron hacer una web.


P: Y de ahí a la televisión.


R: Sí, dos años despúes, y tras el éxito del Observatorio da Imprensa en la web, comenzamos con el Observatorio da Imprensa en la TV Cultura, con un programa semanal. Y el pasado mes de mayo comenzamos también en la radio, con un programa diario de unos 5 minutos.


P: ¿Se puede decir que son los únicos que hacen crítica de medios en Brasil?


R: Los únicos que hacemos una crítica sistemática sí, porque luego están los ombudsman de los grandes diarios, como de la Folha de São Paulo, pero su papel es un poco diferente, más dentrados en su propio diario y sus lectores.


P: ¿Qué temas centran actualmente su atención como Observatorio de Medios?


R: El pasado martes hubo un momento importante en nuestra historia y es que por fin pasamos a la acción en lo que respecta a la aberración de que diputados y senadores se autoconcedan emosiras de radio y televisión. Es una lucha de hace años, pero hasta ahora no habíamos pasado a la acción. En nuestro site puede verse ya la lista de todos los parlamentarios que se aprovechan de esto, con todo tipo de datos.


P: ¿Qué otras críticas en lo relativo a medios de comunicación son los caballos de batalla actuales del Observatorio?


R: Son muchos temas que nos centran, en el site pueden visitarse, pero la crítica a veces no es suficiente y hay que pasar a la acción.


P: Últimamente se está debatiendo mucho sobre la vuelta a la obligatoriedad del título de periodista para ejercer la profesión, ¿usted qué opina?


R: Hace muchos años, cuando se preparaba la Constitución aquí en brasil, yo luché mucho a favor del diploma y de la defensa de la profesión, veía necesario reglamentar la profesión periodística. Pero ahora, pasados 20 años, lo que aconteció fue que ese artículo de la Constitución sirvió apenas para hacer crecer las escuelas de periodismo por todo el país con el único fin de lucrarse, sirvió para fomentar una fábrica de diplomas de Periodismo en Brasil, donde hay más de 300 escuelas de periodismo.


P: ¿300 escuelas de periodismo?


R: Sí, y con eso lo que se ha logrado es que la calidad de la enseñanza sea mínima, y la calidad de los alumnos también. No les suspenden porque son escuelas privadas a las que no conviene suspender alumnos, porque pagan.


P: ¿Ahora qué piensa de la necesidad o no de título, entonces?


R: Pienso que no es la justicia quien tiene que debatir eso, ni los sindicatos, que también están a favor por interés propio, porque cuantos más peridistas formados haya más cuotas recibirán ellos. Yo pienso que es necesario formarse como periodista pero no como título universitario, sino como una postgraduación. Que alumnos de diversas disciplinas, de Derecho, Medicina, Historia… se especializaran despúes como periodistas, en un curso de dos o tres semestres.


P: ¿Qué se enseñaría en esos dos o tres semestres?


R: En las facultades se enseñan muchas cosas inútiles entre pocas cosas que valen la pena. No sé, habría que discutir todo un curriculo, pero sería muy importante incluir una materia de crítica mediática. En algunas de las universidades más prestigiosas de Estados Unidos ya se ha incluido como asignatura para los alumnos de periodismo, y creo que sería muy importante que se extendiera a todo el mundo.


P: Es cierto, porque los medios hacen crítica de literatura, de cine, de teatro… ¿pero por qué no hacen también crítica de medios? En España se dice que ‘perro no come perro’…


R: Puede ser. Nuestra victoria, del Observatorio da Imprensa, es esa precisamente, haber abierto un camino a ese respecto en Brasil, y haberlo hecho con éxito, porque eso quiere decir que interesa.


La prensa en Portugal hace las cosas con mucho esmero y calidad, por contra en Brasil hay un periodismo más creativo


P: ¿Cuál es su principal crítica a la prensa brasileña?


R: Que se ha politizado en exceso. Por ejemplo, Lula antes de ser elegido presidente era presentado por la prensa como un dios, y ahora, tras los escándalos de corrupción de miembros de su Gobierno, es todo lo contrario. Exageraron en las dos ocasiones. U periodista tiene que dejar en la intimidad sus posiciones, pero en Brasil la prensa y sus trabajadores están muy implicados políticamente. Yo leo El País todos los fines de semana y no veo eso.


P: ¿No ve a El País politizado?


R: Igual yo no lo percibo, pero aquí es más fuerte.


P: Usted dirigió medios en Portugal, donde estuvo durante 7 años, ¿qué comparación crítica puede hacer entre la prensa europea y la brasileña?


R: Hoy en día en Portugal hay una mayor preocupación deontológica, aunque los periodistas allí también tiran cada uno para su lado. Sin embargo lo hacen con más discreción. Por otro lado, allí hay una mayor preocupación cultural por parte de la prensa, aquí se considera cultura el ‘show business’, y no hay casi crítica literaria.


P: ¿Se cubren bien los temas brasileños desde Portugal?


R: Muy bien, sí, se hacen las cosas con mucho esmero y calidad. Por contra, en Brasil hay un periodismo más creativo.’



MEMÓRIA / HENFIL


Mauro Ventura


‘A volta de Henfil e seus irmãos’, copyright O Globo, 3/11/05


‘A vida de Henfil, Betinho e Chico Mário bem poderia ser uma ópera, como nota o compositor Fernando Brant. Mas acabou no cinema. Hoje, dia em que Betinho completaria 70 anos, a diretora Ângela Patrícia Reiniger exibe em pré-estréia para convidados, no Odeon, um documentário que conta, em 1h45m, a saga de três irmãos que nascem hemofílicos, morrem vítimas do vírus da Aids, mas, nesse intervalo, constroem uma vida intensa e admirável. É a primeira exibição pública do filme, que levou cinco anos para ficar pronto. No mesmo dia, será lançado o livro ‘Um abraço, Betinho’, de Dulce Pandolfi e Luciana Heymann.


No filme ‘3 irmãos de sangue’, a fisioterapeuta de Henfil diz: com a hemofilia você transforma sua vida ou num lamento ou numa apoteose. Os três fizeram a segunda opção. A doença incurável cria uma urgência que, somada ao talento individual e à indignação com a injustiça herdada da mãe, dona Maria, resulta em três figuras marcantes.


Filme entrelaça História do país com a vida dos três


No filme, que só estréia em circuito ano que vem, Ângela entrelaça a vida dos três à do país, recuperando episódios como a Anistia e o ‘Diretas Já’.


– O Brasil é quase como um quarto personagem – diz ela, que faz sua estréia no cinema.


As trajetórias de Betinho, com sua lucidez, de Henfil, com seu traço transgressor, e de Chico Mário, com sua luta pioneira na música independente, são costuradas através de imagens de arquivo e de depoimentos de amigos e parentes.


– Durante a montagem, eu me pegava falando: ‘Não posso me emocionar mais com isso, já vi cinco vezes.’ E ainda assim me emocionava – diz Ângela.


A grandiosidade e o drama da vida do cartunista, do sociólogo e do músico são contados em três blocos. No primeiro, ‘Origem’, vê-se que, dos 16 filhos de dona Maria e seu Henrique, somente oito sobreviveram – cinco mulheres e três homens: Henfil, Betinho e Chico.


O segundo bloco – ‘Sangue verde-e-amarelo’ – mostra a profunda identificação da família com o Brasil, a ponto de, no aniversário de 80 anos de dona Maria, o ‘Parabéns pra você’ ter sido substituído pelo Hino Nacional.


O último bloco – ‘Aids’ – lembra como a doença, contraída em transfusões de sangue, abreviou a vida dos três: Chico Mário morreu com 39 anos, Henfil, com 43, e Betinho, com 61.


A história do filme remonta a 2000, quando Marcos Souza, filho de Chico, teve a idéia e procurou a produtora No Ar, que produzia o ‘Mãe e cia.’ (GNT) e produz o ‘Programa especial’ (TVE). As filmagens só começaram no início deste ano.


O filme mostra a militância irreverente de Henfil, relembra seu talento para criar tipos – da Graúna ao Baixim – e recupera episódios como a criação da frase ‘Diretas Já’, durante entrevista com o senador Teotônio Vilela no ‘Pasquim’.


Na tela, vê-se a transformação de Betinho, o ‘irmão de Henfil’ na canção ‘O bêbado e a equilibrista’, em referência na vida pública brasileira. Ângela conta que, um dia, o faxineiro entrou na sala de edição, viu a imagem do sociólogo e disse, cheio de intimidade: ‘Meu amigo!’. A fragilidade física contrastava com a força de vontade do criador do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia) e da Ação da Cidadania contra a Miséria, a Fome e pela Vida.


O filme exibe o talento ainda pouco conhecido de Chico Mário. Num belo trecho, Ângela alterna imagens antigas de Chico cantando num show a música ‘Andaime’ com cenas atuais de Ivan Lins ouvindo a canção. De olhos fechados, ele não resiste e cai no choro. Em outro momento, após a morte do irmão, Betinho conta: ‘Chico me disse que queria viver até a última gota.’ Como de fato viveram os três filhos de dona Maria.’



João Máximo


‘Menos famoso, mas de talento igual’, copyright O Globo, 3/11/05


‘Francisco Mário pode não ter sido o irmão mais famoso de Henfil, mas também não foi o filho menos talentoso de Dona Maria. Como compositor, violonista e poeta, cumpriu trajetória tão luminosa quanto as de Henfil e Betinho em suas respectivas áreas. Como a dos dois irmãos, trajetória curta: Chico morreu aos 39 anos no verão carioca de 1988.


O fato de não ser tão famoso poderia ser explicado pelo temperamento tímido, contido, de mineiro bom, mas a verdade é que a música popular da época não abria facilmente suas portas a quem não se sujeitasse ao esquema das gravadoras multinacionais. Chico Mário não se entregou: tornou-se um dos pioneiros e principais cultores do disco independente no Brasil.


É importante conhecer a obra de Chico Mário justamente para saber até onde, vivendo tão pouco, ele chegou levado apenas pela qualidade de sua música e sua poesia. Excelente oportunidade para isso é a obra de amor que seu filho Marcos Souza, também músico, acaba de lançar: um livro de capa dura, ilustrado, contendo um esboço biográfico e uma cronologia (em português, inglês e espanhol), 89 partituras de suas composições e quatro CDs. Nestes, agrupados dois a dois, estão os cinco discos lançados em vida, mais os dois póstumos e um inédito (o que terá sido feito do censurado ‘Versos e viola’, que Francisco gravou em 1981 com o xará Julião, quando este voltou do exílio?).


Primeiro disco, ‘Terra’, foi lançado em 1979


Embora o Chico Mário poeta merecesse o mesmo espaço, é a música que transita por todo o livro, sobretudo nos CDs, o melhor modo para se conhecer compositor e violonista. O disco de estréia, ‘Terra’, foi lançado em 1979, um ano depois de Chico ter trocado a Belo Horizonte natal pelo Rio, no qual acreditava serem maiores as oportunidades para um músico de apenas 20 anos. Aqui, estudou teoria e orquestração com Roberto Gnattali, fez-se amigo de outros músicos, ganhou força para, em 1980, gravar ‘Revolta dos palhaços’ (só pôde fazê-lo porque 200 dos admiradores de ‘Terra’ compraram o próximo disco antecipadamente).


‘Versos e violas’ viria em seguida, se a Censura não o proibisse. A justificativa, como não foi dada, pode ter sido tanto por causa de Julião quanto do próprio Chico Mário, cuja visão de um Brasil mais livre, menos pobre, mais humano, menos embriagado pela ‘ilusão montada para ver a nossa realidade subdesenvolvida de país do Terceiro Mundo’, como ele mesmo escreveu, incomodava. Já ‘Conversa de cordas, couros, palhetas e metais’, de 1983, teria caminho livre, até porque era todo instrumental. Foi o seu LP mais vendido: dez mil cópias. ‘Pijama de seda’, de 1985, e ‘Retratos’, do ano seguinte, completariam a discografia de Chico Mário em vida. O primeiro, com o tema-título dedicado a Pixinguinha, é também instrumental.


Mesmo doente, não parou. Passou seus últimos dois anos entregue a projetos de novos discos que, como se sabendo que não teria tempo de realizá-los, inquietavam-no (‘A música sobe pela minha cabeça e fica uma orquestra tocando o tempo todo, com todos os arranjos prontos. Se ela não descer em forma de disco, acho que vou enlouquecer’). Do que resultaram ‘Dança do mar’ (sete movimentos sobre as mutações da natureza), ‘Suíte Brasil’ (‘… minha interpretação pessoal da História’) e ‘Tempo’ (homenagem a Chaplin). Os dois primeiros sairiam postumamente, em 1989 e 1991, e ‘Tempo’ é o inédito que completa o livro. Tudo somado, preciosa oportunidade para se compreender a grandeza do irmão menos famoso de Henfil.’



INCLUSÃO DIGITAL


Irany Tereza


‘BNDES prepara financiamento do programa PC para Todos ‘, copyright O Estado de S. Paulo, 3/11/05


‘O projeto do PC para Todos, que se chamava PC Conectado e foi colocado na prateleira depois que a ‘MP do Bem’ caiu, vai ser reativado com aprovação da Medida Provisória 255. Hoje, em reunião na sede do Serpro, em Brasília, representantes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Ministério da Ciência e Tecnologia, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal definem os detalhes do lançamento do programa. Na semana que vem, o BNDES envia circular aos cerca de 90 bancos credenciados. e a expectativa é de que os computadores, com preço máximo de R$ 1,4 mil e financiamento ao consumidor a juros entre 2% e 3% ao mês, já estejam nas lojas para as vendas de Natal.


‘Quando a ‘MP do Bem’ não foi aprovada pelo Congresso, pensamos: ‘O projeto vai micar’, porque o financiamento do BNDES era somente uma das três bases do programa’, diz Claudio Leal, chefe de Departamento da Área de Operações Indiretas do banco estatal. As outras duas bases eram os incentivos fiscais à indústria, propiciados pela medida provisória, e a participação da Caixa e do Banco do Brasil, que poderão tanto repassar recursos do BNDES para financiar estoques das lojas de varejo, quanto financiar diretamente a compra aos consumidores que forem correntistas das duas instituições, já que também têm acesso aos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).


O projeto PC para Todos, também chamado de PC Popular, integra o programa de inclusão digital do governo. O principal objetivo é facilitar a aquisição de computadores por pequenos e microempresários e também para famílias com orçamento entre 3 e 10 salários mínimos.


O orçamento inicial do projeto, que pode ainda ser ampliado, é de R$ 300 milhões até o final de 2006, o suficiente para a fabricação de cerca de 300 mil microcomputadores. Os equipamentos têm uma configuração mínima com 27 itens.


VAREJO


Como o BNDES é impedido de financiar bens de consumo e também não faz empréstimos diretos a pessoas físicas, a operação será feita com redes do comércio varejista, por meio de agentes financeiros. Para compras de lotes acima de R$ 3 milhões, as redes de varejo poderão buscar recursos diretamente no BNDES, que liberará os recursos aos fornecedores, fabricantes dos computadores. ‘É um sistema que se aproxima muito do processo da Finame (Agência de Financiamento de Bens de Capital). O fabricante vai receber de uma vez um recurso que, certamente, receberia parcelado das lojas. É uma forma de combate ao chamado ‘mercado cinza’, trazendo fabricantes para a legalidade, ao mesmo tempo que traz um financiamento mais barato ao comércio’, diz Leal.


Para forçar um barateamento também no preço ao consumidor final, o BNDES criou duas taxas diferentes para o programa: as redes que se comprometerem a praticar juros, na venda a crédito, de 2% ao mês, no máximo, terão acesso ao programa com Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), atualmente cotada em 9,75%, mais 3,5% ao ano (1% de spread do BNDES e 2,5% de remuneração dos bancos repassadores), o que resulta em juros anuais de 13,25%. Para aqueles que excederem esse patamar no juro para o consumidor, o plano será de TJLP mais 7% (4,5% para o BNDES e 2,5% para os repassadores), o que contabiliza 16,75% ao ano.’



PROPRIEDADE INTELECTUAL


O Estado de S. Paulo


‘Fundação dos EUA publica anúncio contra o Brasil ‘, copyright O Estado de S. Paulo, 3/11/05


‘A fundação americana Defensores dos Direitos de Propriedade publicou segunda-feira um anúncio de página inteira no jornal Washington Times, na capital americana, acusando o Brasil de abuso contra os direitos americanos de propriedade intelectual. É o mesmo jornal que publicou, em 2002, um artigo afirmando que o presidente Lula, Fidel Castro, de Cuba, e Hugo Chávez, da Venezuela, formavam um novo ‘eixo do mal’.


O anúncio pede que o representante de Comércio dos Estados Unidos, Rob Portman, questione o Brasil sobre a situação, e destaca que o País participa do Sistema Geral de Preferências, que se encontra sob revisão.


Segundo a fundação, o Brasil é o país que mais desrespeita os direitos de propriedade intelectual no Hemisfério Ocidental, fazendo com que as empresas americanas percam cerca de US$ 900 milhões somente em 2003. ‘O Brasil está sendo recompensado com bilhões de dólares este ano por um comportamento que prejudica empresas americanas e desencoraja a inovação, a criação e a pesquisa nos EUA’, afirmou, em comunicado, Nancie Marzulla, presidente da Defensoras dos Direitos de Propriedade. ‘O Brasil, presumivelmente, não merece mais participar do Sistema Geral de Preferências.’’


Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem