Domingo, 27 de Setembro de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

ENTRE ASPAS >

Imprensa, a última a saber

Por Luciano Martins Costa em 13/12/2010 na edição 619

Os jornais brasileiros parecem ter sido surpreendidos, no último fim de semana, pelo acordo alcançado no encerramento da conferência sobre o clima realizado no balneário de Cancún, México.


Não apenas no primeiro registro da edição online da Folha de S.Paulo, às 10h50 da manhã de sábado (11/12), mas também na edição de papel do Estado de S.Paulo, no domingo (12), os editores dão a impressão de que não conheciam os meandros das negociações que estão em curso nesses eventos há mais de duas décadas.


O Globo destaca ‘um desfecho que tomou contornos dramáticos’, ao observar que o acordo final foi apoiado por 193 dos 194 países participantes, com a recusa da Bolívia de assinar o tratado.


Representantes da Bolívia, assim como fez a Venezuela em Copenhague no ano anterior, se opunham desde o início à criação de um mecanismo de mercado para apoiar projetos de mitigação das causas do aquecimento global, por motivos ideológicos: na visão do governo boliviano, essa iniciativa ‘estimula o capitalismo’.


Com atraso


Na verdade, a maioria dos observadores da questão ambiental anunciava há meses que uma das grandes probabilidades, ainda maior do que uma decisão em torno da extensão do Protocolo de Kyoto, era a da aprovação do sistema chamado REDD+, ou Mecanismo de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação de florestas tropicais.


A razão para tal certeza era o fato de que, na verdade, já está em pleno movimento o chamado mercado de créditos de carbono, pelo qual investidores colocam dinheiro em projetos para compensar os países tropicais pela redução do desmatamento.


A outra grande decisão que os jornais brasileiros estão chamando, simplificadamente, de Fundo Verde do Clima, é a oferta, pelos países desenvolvidos, de um fundo para o financiamento de ações adaptativas e combate a causas e efeitos das mudanças climáticas nos países em desenvolvimento e naquelas regiões mais ameaçadas pela elevação geral média dos níveis dos oceanos. Esses recursos já haviam sido definidos em Copenhague e parte deles já estava disponível há meses.


A imprensa tradicional do Brasil entrou atrasada na questão do clima, não tratou de recuperar o conhecimento acumulado nas quinze conferências realizadas anteriormente pela ONU e, claro, acaba surpreendida.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem