Quarta-feira, 27 de Maio de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Jornalistas vivem ‘primavera da liberdade’

Por Marcelo Ninio em 22/02/2011 na edição 630

Quando ouviu a notícia da renúncia de Hosni Mubarak, após acompanhar de perto os 18 dias de protestos contra o ditador na praça central do Cairo, o jornalista Ayman Farouk pressentiu que aquele também era o começo de uma revolução profissional.

Funcionário há 12 anos do jornal estatal ‘Al-Ahram’, o maior do país, Farouk jamais pôde escrever uma linha sequer contra o governo.

Nos dias turbulentos na praça Tahrir, o jornalista ousou retratar fielmente a fúria contra o regime. Mas as informações que passava eram desidratadas na Redação e reduzidas a algo menor.

‘Nos primeiros dias, o jornal escondeu os protestos’, lembra Farouk. ‘Era um jornal em guerra com si mesmo e, pior, com a realidade.’

A queda de Mubarak provocou uma reviravolta na imprensa estatal, removeu as amarras da mídia privada e está redefinindo o ofício de jornalista no país.

Na primeira semana sem Mubarak em 30 anos, a imprensa egípcia viveu uma inédita primavera de liberdade. Os jornais aproveitaram para ir fundo num assunto antes proibido, a corrupção.

O primeiro sinal dos novos tempos foi na noite da renúncia, quando o ‘Al-Ahbar’ chegou às ruas com uma manchete, sem maquiagem. ‘Povo derruba o presidente.’

‘Ninguém segurou a explosão de alegria na Redação’, conta Doaa Khalifa, editora do ‘Hebdo’, suplemento em francês do diário. ‘Pela primeira vez fomos consultados sobre qual deveria ser a manchete.’

Satélite

Nos últimos anos, o regime já permitira uma certa abertura na mídia. Surgiram jornais e canais de TV por satélite independentes.

Dos três jornais mais vendidos, dois são estatais, ‘Al-Ahram’ (A Pirâmide) e ‘Al-Akhbar’ (A Notícia). Ensanduichado entre os dois, está o independente ‘Al-Masry Al-Youm’ (O Egito Hoje).

Mas o alcance é limitado. Num país de 85 milhões de pessoas, a circulação global não passa de 3 milhões diários. A maior parte da população se informa pela televisão, principalmente nos canais captados por satélite.

Uma onda de satélites piratas proliferou a partir da Copa de 2006, dando a 65% dos egípcios acesso a uma variedade de canais nacionais e do exterior. Isso reduziu a influência da TV estatal.

Com a saída do ditador, a expectativa é de uma reforma nas regras do jogo. Na época de Mubarak, elas eram claras: críticas podiam até ser toleradas, mas nunca ao ditador e ao Exército.

Em 2005, Aia El-Sherbeny, do estatal ‘Rose al-Yusuf’, foi julgada por reportar indícios de superfaturamento na construção de um prédio público. Para não ser presa, pagou fiança de R$ 5.500.

Para ela, ainda vai demorar para que o país tenha uma imprensa realmente livre. ‘Ainda há uma cultura de autocensura entre muitos jornalistas, principalmente os mais velhos’, diz Aia, 29.

******

Enviado da Folha de S.Paulo ao Cairo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem