Sexta-feira, 03 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

MONITOR DA IMPRENSA >

Determinismo tecnológico reforça desigualdades

Por José Rodrigues Filho em 18/05/2010 na edição 590

A submissão de países em desenvolvimento, como o Brasil, à agenda de organizações internacionais, como Banco Mundial, Nações Unidas e Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), por exemplo, tem trazido conseqüências desastrosas, reforçando, em muitos casos, severas desigualdades, além de esconder a realidade dos fatos. Apesar das severas críticas à agenda destas organizações, pouca coisa mudou, visto que elas têm como princípio básico a orientação de um mercado internacional globalizado, através de um sistema integrado que reforça cada vez mais a utilização de tecnologias de informação. Contudo, a integração destes sistemas tem trazido benefícios para os fornecedores ocidentais, de forma desproporcional, considerando que dois terços do comércio são controlados por corporações transnacionais.

Com esta agenda em evidência, os países em desenvolvimento têm que investir cada vez mais em tecnologias de informação para manter os mercados dos países ricos cada vez mais aquecidos, reforçando assim o chamado determinismo tecnológico, que considera a tecnologia de informação como panacéia e solução dos problemas dos países pobres. Ademais, a agenda destas organizações é apoiada pelos executivos das corporações internacionais, intelectuais, parte do mundo acadêmico e uma comunidade de ‘criadores de mitos’ e de ‘idiotas tecnológicos’ que acha que a tecnologia de informação é realmente a solução de tudo.

Governo negligencia programas de vacinação

Portanto, a prioridade de investimentos em tecnologia de informação em países em desenvolvimento fortalece o poder monopolístico no mundo desenvolvido, criando uma espécie de dependência eletrônica nos países pobres, além de esconder algumas distinções e desigualdades que vêm aumentando, a taxas cada vez mais elevadas, inclusive nos países ricos. No momento, é possível que as cinzas das nuvens do vulcão Eyjafjallajökull estejam afetando a população da Europa tanto quanto a crise financeira que atingiu a velha Grécia. No caso do Brasil, a dependência eletrônica está levando o governo, em muitos casos, a investir mais em tecnologias de informação do que em programas sociais que podem beneficiar as camadas sociais mais pobres.

É preciso compreender que as tecnologias de informação e comunicação (TICs) não são as tecnologias mais importantes para os países em desenvolvimento. E-mails, por exemplo, não são mais importantes do que um programa de vacinação, que pode evitar a morte de milhares de pessoas. Também não é um substituto para água potável. No momento atual, o governo parece até negligenciar estes programas de vacinação. É o caso da vacinação da gripe suína no país. É evidente que as TICs têm a sua importância, mas quando utilizadas de forma apropriada e emancipatória.

Poder e prestígio da elite dominante

Ao contrário dos países desenvolvidos, o governo brasileiro se preocupou em vacinar apenas a força de trabalho do país, ou seja, pessoas entre 19 e 39 anos, além de gestantes e crianças de até dois anos. Nós, que estamos acima dos 40, estamos entregues à própria sorte, pois um surto de gripe suína poderá atingir esta faixa etária severamente. E as crianças acima de dois anos e a juventude, que representa o futuro do país? Não existem recursos para se tentar salvar estas pessoas, mas existem para se investir maciçamente em tecnologias de informação.

A crise financeira que afetou o mundo, a partir de setembro de 2009, levou os países desenvolvidos a diminuir os investimentos em tecnologia da informação. No Brasil, alguns gigantes do mercado de tecnologia de informação afirmam que o Brasil foi um dos únicos países do mercado globalizado em que a venda de ‘bugigangas’ tecnológicas cresceu no ano de 2009, incluindo aí a participação do governo neste mercado. Isto acontece num momento em que se restringem investimentos na área social, a exemplo do investimento na vacinação da gripe suína (H1N1).

Surpreendentemente, programas sociais desenvolvidos no Brasil durante os últimos anos, destinados a acabar com a fome e inanição, apesar de suas limitações, tiveram o poder de promover o desenvolvimento humano, a exemplo do Programa Bolsa Família e Fome Zero. Não foi à toa que a renomada revista Time da semana passada chegou a reconhecer que estes programas estão impulsionando o país rumo ao primeiro mundo. Portanto, não foram os elevados investimentos em tecnologias de informação realizados no Brasil que contribuíram para a melhoria de indicadores do desenvolvimento humano.

Portanto, o determinismo tecnológico está reforçando as desigualdades no Brasil e algumas tecnologias de informação utilizadas no país, a exemplo do voto eletrônico e do cartão nacional de saúde, não contribuíram para a melhoria do desenvolvimento humano, com ampliação de nossa democracia e das condições de saúde da população, reforçando assim desigualdades no país. Tais tecnologias têm reforçado o poder de algumas instituições e o prestígio da elite dominante, porém reduzem a cidadania e fortalecem a agenda das organizações internacionais.

******

Professor da Universidade Federal da Paraíba. Foi pesquisador nas universidades de Harvard e John Hopkins e atualmente é professor visitante no Departamento de Telecomunicações e Estudos da Informação na Michigan State University

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem