Quinta-feira, 09 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

NOTA > Misoginia e machismo

Abraji repudia ataques de Eduardo Bolsonaro a jornalista da “Folha de S.Paulo”

Por Equipe do Observatório da Imprensa em 12/02/2020 na edição 1074

(Foto: Divulgação)

A Abraji – Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo – divulgou nota em repúdio aos ataques e difamações nas redes sociais contra a jornalista Patricia Campos Mello, da Folha de S.Paulo. O Observatório da Imprensa reproduz a íntegra da nota abaixo e se junta às instituições e pessoas que repudiam esse tipo de ataque contra o jornalismo crítico.

Segue a nota da Abraji:

“A jornalista Patricia Campos Mello (Folha de S.Paulo) voltou a ser alvo de ofensas machistas e misóginas nas redes sociais na terça-feira, 11 de fevereiro, depois que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) reproduziu, em sua conta no Twitter, difamações contra a repórter por parte de um depoente à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito das Fake News e, mais tarde, repetiu em manifestação no plenário da Câmara as alegações. A Folha apresentou documentos que refutam o depoimento.

A nova rodada de agressões à jornalista se intensificou depois que Eduardo Bolsonaro replicou insinuações do depoente Hans River do Nascimento, em tom jocoso, em seu perfil no Twitter. O ex-funcionário da empresa Yacows afirmou à CPMI que a jornalista da Folha de S.Paulo se insinuou para ele sexualmente em troca de informações para uma reportagem, veiculada em outubro de 2018, sobre disparos em massa de mensagens via WhatsApp durante a campanha eleitoral de Jair Bolsonaro à presidência. Não satisfeito em reproduzir as alegações nas redes sociais, o deputado mais tarde as reiterou no plenário da Câmara:

– Então, só para destacar esse ponto, eu fiquei aqui perplexo de ver, mas eu não duvido, que a senhora Patricia Campos Mello, jornalista da Folha, possa ter se insinuado sexualmente, como disse o senhor Hans, em troca de informações para tentar prejudicar a campanha do presidente Jair Bolsonaro.

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) repudia a ação do deputado, que repercutiu para milhões de seguidores alegações difamatórias. É assustador que um agente público use seu canal de comunicação para atacar jornalistas cujas reportagens trazem informações que o desagradam, sobretudo apelando ao machismo e à misoginia. Além disso, esta é mais uma ocasião em que integrantes da família Bolsonaro, em lugar de oferecer explicações à sociedade, tentam desacreditar o trabalho da imprensa.

Não é a primeira vez que a jornalista Patricia Campos Mello é alvo de assédio direcionado nas redes sociais. Tais ações tiveram início logo após a publicação da reportagem “Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp”, assinada por ela, na Folha de S.Paulo, ainda durante a campanha eleitoral de 2018. Centenas de usuários da rede social fizeram comentários agressivos, tentando manchar a credibilidade da repórter. Na época, a Abraji emitiu nota de apoio à jornalista.

Campos Mello é uma das mais respeitadas jornalistas do país. Repórter experiente, premiada, cobre relações internacionais, economia e direitos humanos há décadas. No ano passado, foi uma das vencedoras do International Press Freedom Award do Comitê de Proteção de Jornalistas (CPJ, sigla em inglês), ao lado de jornalistas da Índia, da Nicarágua e da Tanzânia que, assim como ela, sofreram ameaças e agressões em decorrência de seus trabalhos. Patrícia também faz parte da atual diretoria da Abraji.

Diretoria da Abraji, 11 de fevereiro de 2020.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem