Sábado, 04 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Bernardo Ajzenberg

Por lgarcia em 14/08/2002 na edição 185

FOLHA DE S.PAULO

"Fora do alvo" copyright Folha de S.Paulo, 10/8/02

"Do dia em que o Brasil foi pentacampeão até ontem, a Folha publicou 40 edições. Delas, nada menos do que 35 (ou 88%) versaram sobre economia.

Mais do que revelar uma fixação do jornal pelo tema, esse fato expressa a gravidade da situação econômica internacional -alimentada aqui, inclusive, pelas ansiedades eleitorais.
O assunto ganhou ainda mais presença na semana passada, com a finalização dos termos do novo acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

E o que se viu, na cobertura desse caso, foi que, apesar de seu sistemático acompanhamento do mundo financeiro -e embora se tenha saído menos mal do que a concorrência-, o jornal errou na maioria das tentativas de adiantar aos leitores o que se definia entre Brasil e FMI.

O problema, aqui, vai além da mera falha de previsão. Os valores e o formato do acordo têm relação direta com a dimensão da crise e com a intensidade da luz que se pode enxergar no fim do túnel. Expor números a respeito dele, portanto, é interferir de alguma forma na realidade; implica evidente responsabilidade.

O primeiro jornal a noticiar a articulação de um novo acerto com o Fundo foi o ?Valor?, em 5 de julho (veja o quadro). De lá para cá, os veículos entraram numa espécie de corrida maluca para ver quem revelava antes a forma e o recheio do doce.

Na edição de 27/7, por exemplo, a Folha afirmou que a intenção do Brasil era obter empréstimo entre US$ 5 bilhões e US$ 10 bilhões, com prazo de seis a 12 meses.
Na última quarta, informava que o FMI poderia oferecer de US$ 10 bilhões a US$ 12 bilhões em novos recursos, num pacote que no total, com outras eventuais operações, chegaria a US$ 25 bilhões.

Pois, pelo divulgado no dia seguinte, só de recursos novos foram US$ 30 bilhões. Isso, sem falar em outros itens do acordo que saíram diferentes do trazido como provável pelo noticiário (prazos, superávit primário, rolagem ou não de dívidas preexistentes, redução do piso das reservas internacionais líquidas, por exemplo).

Registre-se que nem sempre foi assim. Nos acordos de 1998 e de 2001, a Folha saiu-se melhor.

Em 12 de novembro de 1998, por exemplo, uma reportagem estimava em US$ 42 bilhões o pacote então em gestação (dias antes, já se adiantara que poderia chegar a US$ 45 bilhões). O acordo, conforme noticiado em 14/11, totalizou US$ 41,5 bilhões.

No ano passado, texto de 1? de agosto calculava um saque entre US$ 15 bilhões e US$ 20 bilhões. O pacote, traz a edição de 4 de agosto, foi de US$ 15 bilhões.

Vinicius Torres Freire, editor de Dinheiro, admite ter havido imprecisão, mas avalia que a cobertura do recente acordo foi mais difícil do que as anteriores. ?Havia menos pessoas e instituições (portanto, possíveis fontes) envolvidas na negociação, e o acordo foi discutido e fechado em praticamente uma semana, contra dois meses em 98, por exemplo?, explica.

As fontes do setor privado, acrescenta, não tinham desta vez mais informações do que os jornalistas. Ademais, ?tratava-se agora de uma negociação nova, a ser honrada por um novo 7governo que pode vir a ser de oposição? -o que multiplicou a incerteza do que poderia ser acertado.

Outra dificuldade, conforme Torres Freire: a ?lei do silêncio? foi cumprida à risca por técnicos do Fundo e do governo.

Fazem sentido essas considerações. Acrescento, porém, que, em meio a tais barreiras, o clima de incertezas da disputa eleitoral, a tensão nos mercados e a pressão da concorrência entre os jornais parecem ter feito agigantar-se a normalmente enorme pressa dos jornalistas -crescendo, com ela, os riscos de se cometerem equívocos.

Na falta de informação totalmente confiável, é sempre melhor economizar papel e poupar tempo ao leitor, que, afinal, não tem nada a ver com isso."

***

"A novidade" copyright Folha de S.Paulo, 10/8/02

"A maior novidade no noticiário das eleições deste ano, até agora, foram as entrevistas feitas com os principais candidatos nos telejornais da TV Globo.

Redimir-se de um passado pouco glorioso, curvar-se, na batalha pela audiência, à necessidade de ajustes para manter a credibilidade numa sociedade na qual as cobranças tendem a crescer na proporção em que a cidadania, mal ou bem, avança -pode-se discutir horas a fio a respeito dos motivos que levaram a emissora a mudar o seu enfoque e a adotar, nessa cobertura, posicionamento que prioriza isenção, visão crítica, busca da verdade.

O fato é que, desde as primeiras entrevistas no ?Jornal Nacional?, no início de julho, até as do ?Jornal da Globo?, semana passada, o que se viu foram candidatos de semblante perplexo, às vezes acuados, firmemente questionados, sem que se possa dizer que tenha havido favorecimento expressivo a algum deles.

Há até quem diga que os entrevistadores têm sido agressivos demais, inquisitoriais, mal-educados (um site na internet, sexta-feira, alimentava discussões a esse respeito).
Embora enxergue certa artificialidade, certa ansiedade quase juvenil na postura de alguns -ruído, talvez, entre o hábito de diante da câmera serem sobretudo apresentadores de notícias e se verem levados súbito a inquirir incisivamente políticos cara-a-cara-, embora também detecte neles alguma falta de cintura para arrancar do candidato aquilo que suas perguntas buscam, penso, apesar disso, que o resultado é positivo.

Talvez seja esse um caminho para desmontar ao vivo, de supetão, friamente, as personas moldadas pelos marqueteiros, habituadas, muitas vezes, a ?enrolar?. Não deixa de ser, esta, uma das funções irritantes, mas indispensáveis do jornalismo.

Carlos Henrique Schroder, diretor da Central Globo de Jornalismo, contou-me que até agora as perguntas têm sido preparadas com semanas de antecedência a partir de reuniões ?de tarde inteira? entre dez pessoas (a cúpula do jornalismo e os entrevistadores) e pesquisas posteriores que lhes dêem sustentação (documentos, fatos, números).

Afirma, ainda, que, ?aconteça o que acontecer?, qualquer que seja o desenrolar da disputa sucessória ou o comportamento das curvas nas pesquisas de intenção de voto, ?manteremos a mesma postura?.

A torcer e conferir."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem