Sexta-feira, 03 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Renata Lo Prete

Por lgarcia em 10/06/2003 na edição 228

OLIGOPOLIZAÇÃO / EUA

“Falcões em terra de gigantes”, copyright Folha de S. Paulo, 8/06/03

“O resultado da recém-promovida desregulamentação na mídia americana será uma programação de TV não apenas menos diversificada, como notaram tantos críticos, mas também à direita em relação a seu matiz político atual.

A eliminação, na segunda-feira passada, de regras que limitavam a concentração de propriedade representa uma aliança entre o setor mais conservador da política e seu correspondente na indústria da informação, observou à revista eletrônica ?Salon? o homem que presidiu a agência reguladora das comunicações durante a maior parte do governo Clinton.

?A direita?, resumiu Reed Hundt, ?quer uma mídia amiga?.

O mundo testemunhou essa amizade na cobertura oficialista do conflito no Iraque feita pela TV americana. Recentemente, outro sinal foi dado com o desprezo do noticiário pelas evidências de que a administração Bush mentiu em sua exposição de motivos para ir à guerra -em contraste com as cobranças despejadas sobre Tony Blair pelo jornalismo britânico.

A conta, avalia Hundt, está paga com o sinal verde à etapa final da oligopolização. O titular do cargo que já foi de Hundt na FCC (sigla em inglês para Comissão Federal de Comunicações) personifica a confluência de interesses nessa votação. Michael Powell, filho do secretário de Estado, aliado da Casa Branca e ex-funcionário de um dos gigantes beneficiados (AOL Time Warner), afirma que, tonificadas pelas aquisições, as empresas investirão em programação menos padronizada.

Para Hundt, o real significado, como na ?novilíngua? de George Orwell, é exatamente o contrário.

?Não há interesse público em que menos empresas possuam mais veículos?, disse à Folha. ?Só o governo e os conglomerados querem. Sua meta não é expandir a informação, mas restringi-la.?

Hundt localiza na administração Nixon (1969-1974) o início da ofensiva conservadora sobre a mídia. ?Na década passada, em especial, muitos donos passaram a injetar seus pontos de vista no noticiário, o que resultou em uma inflexão geral à direita.?

Na era dos falcões de Bush, a maioria das trocas de guarda nos cobiçados postos de comentaristas das emissoras se dá em benefício de vozes conservadoras.

Com poucas exceções, as redes silenciaram sobre os planos da FCC até as vésperas da votação. Rupert Murdoch, dono da mais governista delas (Fox News), tornou-se símbolo dos protestos contra a desregulamentação.

Nesse cenário, o futuro da informação independente pode ser resumido na resposta do número um da Disney quando lhe perguntaram como a ABC News, que acabara de ser adquirida pelo grupo, deveria tratar a empresa-mãe em seu noticiário: ?Não convém que a Disney cubra a Disney?.

No Brasil, onde TV e concentração de propriedade são sinônimos, convém olhar o exemplo para ter idéia do que nos espera.”

“Lobistas gastaram US$ 2,8 milhões em ?turismo? da CFC”, copyright O Estado de S. Paulo, 6/06/03

“Nos últimos oito anos, os integrantes da Comissão Federal de Comunicações (CFC) realizaram o número recorde de 2.500 viagens, ao custo de US$ 2,8 milhões, pagos ?principalmente? pela indústria das telecomunicações e redes de televisão. O destino principal foi Las Vegas, com 330 viagens. Esse é o resultado de um estudo feito pelo Centro para a Integridade Pública, organização não-governamental (ONG) cívica americana. Na segunda-feira, CFC relaxou as normas de propriedade de meios de comunicação nos Estados Unidos, beneficiando grandes conglomerados da mídia.

Além da fortuna investida nas viagens, o estudo apurou que houve mais de 70 reuniões a portas fechadas, nos últimos meses, entre funcionários da CFC e representantes das maiores redes de TV do país, incluindo executivos poderosos. Enquanto isso, representantes do público encontraram-se com membros da comissão só cinco vezes.

?Isso nos mostra apenas quão próximas, quão incestuosas, são a indústria e sua agência reguladora?, disse o diretor-executivo da ONG, Charles Lewis. Segundo a entidade, depois de Las Vegas, o destino mais freqüente das viagens pagas aos comissários e assessores da CFC foi New Orleans (173) e o terceiro, Nova York (102). Houve ainda várias visitas a Londres (98), São Francisco, Palm Springs, Buenos Aires e Pequim. (AP)”

***

“Senado pode rever decisão da CFC”, copyright O Estado de S. Paulo, 5/06/03

“A Comissão de Comércio do Senado vai analisar uma proposta para anular a decisão tomada na segunda-feira pela Comissão Federal de Comunicações (CFC) que permite a empresas acumular a propriedade de jornais e emissoras de televisão e rádio num mesmo mercado. O presidente da Comissão de Comércio, John McCain, disse que se opõe ao projeto de revisão da decisão da CFC, mas o assunto será debatido. McCain é republicano, como três dos cinco comissários da CFC.

?Tenho um longo histórico de apoio à desregulamentação?, disse McCain. ?Mas a questão da propriedade na mídia, que pode ter um efeito tão grande sobre a natureza e a qualidade da nossa democracia, é demasiado importante para ser objeto de uma decisão tão categórica.? (AP)”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem