Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

Programa nº

>>Nota de falecimento
>>Observatório na TV

Por Luciano Martins Costa em 31/08/2010 | comentários

Ouça aqui

Download

Nota de falecimento


Circula nesta terça-feira a última edição em papel do Jornal do Brasil, que foi o primeiro diário brasileiro a publicar uma página na Internet, em projeto de seu então editor-chefe, Rosental Calmon Alves.


De agora em diante, o JB tenta sobreviver no formato digital, com poucas chances de seguir existindo nos próximos anos.


Agonizou nas mãos do empresário Nelson Tanure, o mesmo que tirou o último hálito da Gazeta Mercantil, também extinta no ano passado.


A morte virtual do Jornal do Brasil é tema de duas curtas reportagens na imprensa considerada mais influente.


Jornal do Brasil circula em papel pela última vez”, diz o Estado de S.Paulo numa página da edição nacional.


“Última edição impressa do JB circula hoje”, anuncia a Folha de S.Paulo na sessão “Poder”.


O Globo, que durante décadas tomou uma sova do agora extinto concorrente, não lhe dedica nem mesmo uma linha.


A Folha faz um pequeno registro da história do jornal, criado em 1891, lembrando que em 1959 o JB realizou uma revolucionária reforma gráfica e editorial que deu início à modernização da imprensa brasileira.


Alinha, entre seus colaboradores históricos, Rui Barbosa e Joaquim Nabuco.


O Estadão cita Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Manuel Bandeira e Antonio Callado.


Faltaram outros nomes, como o de Alberto Dines.


Poucas linhas para muita história.


Pouco respeito da imprensa para consigo mesma.


A morte do Jornal do Brasil resulta não apenas de décadas de má gestão.


Ele também sofreu com a concorrência injusta da propriedade cruzada dos meios de comunicação, contra um opositor que conta com a maior rede de rádio e TV do país.


Na verdade, muitos de seus leitores já se haviam sentido órfãos há mais de vinte anos, quando o jornal, cheio de dívidas, se transformou em bandeira de aluguel do ex-governador Paulo Salim Maluf.


Ao tratar com tamanho desprezo o desaparecimento daquele que foi o símbolo do melhor jornalismo brasileiro no século passado, seus antigos concorrentes também justificam a tese segundo a qual as velhas marcas da imprensa se tornam cada vez menos relevantes.


O JB morre sem ao menos uma nota respeitosa de obituário.


A velha imprensa morre um pouco com ele e nem se dá conta.


Observatório na TV


O OI na TV discute nesta terça a proposta de autorregulação da imprensa brasileira.


A proposta, feita no 8o. Congresso Brasileiro de Jornais, realizado há dez dias, divide as empresas de comunicação.


Alberto Dines:


– A mídia brasileira não quer regulação, teme pressões externas, controles,  só admite autorregulação, a exemplo do que ocorre na publicidade. Mas a imprensa não pode ser comparada à propaganda. Por esta razão no último congresso da ANJ, Associação Nacional de Jornais, pela primeira vez a corporação  apareceu dividida.


A unanimidade evaporou. Alguns empresários querem adotar imediatamente um código de autorregulação para evitar pressões pelo controle social. Outros, mais prudentes, seguindo o parecer de jornalistas ligados à entidade, acham a iniciativa temerária e insuficiente.


Se apenas dois jornais brasileiros mantêm a função de Ouvidor ou Ombudsman – a Folha de S. Paulo e O Povo de Fortaleza – como imaginar que todos os jornais filiados à ANJ em todo o país aceitarão e respeitarão um código de ética?


Você quer entender melhor esta complicada situação? Assista hoje à noite ao Observatório da Imprensa na TV-Brasil, às 10 da noite, em rede nacional, ao vivo. Em S. Paulo, pelo Canal 4 da NET e 181 da TVA.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem