Terça-feira, 26 de Maio de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

NETBANCA >

Não gostei

20/03/2012 na edição 686

A Folhaé um grande jornal, mas para fazer televisão ainda tem que comer muito arroz e feijão. A aguardada estreia do TV Folha foi chatinha, insossa e muito aquém do prometido: TV inteligente no domingo.

Aliás, desde que as construtoras lançaram o edifício “inteligente”, esta palavra perdeu toda sua credibilidade e sex appeal. Deveria ser evitada.

Já na abertura: cinco minutos de um pratão requentado sobre a cracolândia paulistana. O que acrescenta ao já visto ou publicado no próprio jornal e site da Folha? Rigorosamente nada!

Segue entrevista com o prefeito Gilberto Kassab, absolutamente previsível, realizada pelo âncora (disfarçado ou arrependido?) Fernando Canzian e uma “partner” que entra muda e sai calada.

Tem algo legal? Tem: Laura Capriglione resumindo, sem a afetação de telejornalista, o imbróglio Pinheirinho [bairro em São José dos Campos], numa edição bacana e eficiente misturando fotos e entrevista com o megaempresário Naji Nahas, parece apontar um caminho ao formato trôpego.

Barbara Gancia na rua é um contraste à sonolência da redação que inclui trilha sonora de jazz e-socorro, me poupe!- ruído de páginas de jornal sendo folheadas.

A tal “entrevista exclusiva” com Chico Buarque -na verdade míseros segundos de reverências e mais obviedades- deveria ser denunciada ao Procon como propaganda enganosa.

Torço pelo sucesso do movimento da Folhaem direção à TV. Mas para isso acontecer, não se deve subestimar a inteligência do telespectador.

No último domingo, quem trocou o jornalismo “inteligente” pelas videocassetadas saiu ganhando.

***

[Marcelo Tas é jornalista e âncora do programa CQC (Band)]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem