Segunda-feira, 13 de Julho de 2020
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1074
Menu

VOZ DOS OUVIDORES >

Suzana Singer

11/05/2010 na edição 589

‘Para se diferenciar da informação ligeira da internet, a Folha está investindo em textos que contextualizem a notícia, mas falta distinguir melhor análise de opinião

A Folha tem 99 colunistas. Em comparação com os concorrentes nacionais e com vários jornais do exterior, ganha de todos em número de colunas por espaço editorial. É, provavelmente, recordista mundial em ‘colunismo’.

Desde o ano passado, o jornal vem formando um novo time, desta vez de analistas. São 128 especialistas, incluindo alguns jornalistas da casa, convidados a escrever pequenos textos que devem contextualizar a notícia do dia anterior.

A iniciativa, louvável, é uma das formas que o jornal encontra de se diferenciar da informação bruta, seca e ligeira da internet.

É um meio também de enriquecer o noticiário sem contaminar a reportagem: o jornalista descreve, da forma mais neutra possível, o que aconteceu e, ao lado, outra pessoa tenta inserir o fato em um cenário maior.

Para deixar clara a diferença entre o que é notícia e o que não é, a Folha usa vinhetas de ‘análise’, ‘artigo’, ‘opinião’ e ‘depoimento’. São palavras azuis acima dos títulos.

Nos últimos dias, porém, vendeu-se gato por lebre. Textos opinativos apareceram travestidos de análise. A diferença, às vezes tênue, é importante. Em 29 de abril, Dinheiro publicou que ‘é hora de reverter os estímulos dados para que o crescimento se acomode em patamar mais sustentável, evitando que a festa de consumo, investimento e gastos do governo de hoje se transforme em ressaca inflacionária mais à frente’. A frase, que parece declaração do presidente do Banco Central, fecha um desses textos editados como ‘análise’.

No dia seguinte, outro artigo, em Brasil, dizia que, na validação da Lei de Anistia pelo Supremo Tribunal Federal, ‘prevaleceu o medo atávico de enfrentar vergonhas do passado’. Mais uma vez, a identificação que aparecia era ‘análise’.

Há uma semana, foi a vez de Mundo de editar um texto ‘analítico’ ao lado de uma longa entrevista com o presidente da Venezuela. Nele, o autor afirmava que Hugo Chávez é o ‘campeão’ da ‘enrolação’ e que é ‘mais idolatrado do que Cristo num culto evangélico’ nos meios de comunicação oficiais.

A confusão ocorre, em geral, quando há um suposto consenso sobre o assunto focado: parece unânime que a inflação deve ser combatida com juros, que seria melhor julgar torturadores e que Hugo Chávez odeia a liberdade de imprensa. É tão ‘óbvio’ que nem parece opinião.

Um comunicado da Secretaria de Redação, divulgado nesta semana, define os requisitos que uma análise deve ter: histórico do acontecimento focado, suas consequências e implicações, o ambiente em que o fato se deu, os beneficiados e prejudicados, os desdobramentos práticos e, quando possível, diferentes interpretações da notícia.

Já nos textos opinativos, o autor toma partido, argumenta, defende medidas e tenta convencer o leitor. É o que fazem os 99 colunistas, escolhidos justamente por terem convicções fortes. A Folha não precisa de mais opinião em suas páginas. Mais informação, em formato de análise, é sempre bem-vinda.

Pimenta em manchete

Na terça-feira, a Folha manchetou: ‘Governo quer estimular portador de HIV a ter filho’. O que se entende é que o governo pretende incentivar soropositivos a engravidar, certo? Não era isso que dizia a reportagem.

O texto dizia que o Ministério da Saúde discute um documento que orientará os portadores de HIV que queiram ter filhos a fazer sexo sem camisinha, mas da forma menos arriscada possível (em datas e condições clínicas específicas).

É um tema polêmico, porque a Organização Mundial da Saúde indica apenas inseminação artificial nesses casos.

Mais próximo da realidade era o título interno: ‘Governo defende reprodução planejada de soropositivos’.

A Secretaria de Redação não concorda que a manchete estava errada. Afirma que ‘o conjunto de orientações do Ministério da Saúde configura um estímulo à reprodução’.

Acho que a Folha decidiu, sem precisar, colocar mais pimenta num assunto já picante.

IRRITANDO CORINTIANOS

Vários leitores escreveram reclamando de ‘brincadeiras’ da Folha com corintianos. Na quinta-feira, na capa de Esporte, foi publicada uma foto de um torcedor arrasado, com os dizeres ‘sem ter nada’, um trocadilho com ‘centenário’ que o clube comemora neste ano.

Na Folha Online, uma ‘reportagem’ elencava brincadeiras e piadas que circulam na rede desde a derrota do Corinthians. Pra que irritar o leitor?’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem